Draghi x Salvini-Berlusconi-Meloni

Mudanças climáticas na política italiana

*Por Martino Rigacci – Jornalista.

Mudanças climáticas na política italiana
Mario Draghi (Crédito: Antonio Masiello/ Getty Images)

Este ano a Itália recebeu o maravilhoso verão mediterrâneo com mais calor do que o habitual. Nas regiões centro e sul, as praias esperam fechar a temporada como nos “velhos tempos” pré-pandemia: cheios de turistas italianos e principalmente estrangeiros, que visitam não só a Sicília ou a Calábria, mas também a movimentada Veneza e outras cidades do norte.

Publicidade

Até agora, nada de novo: o verão tórrido é devido às mudanças climáticas, que cobram seu preço. No entanto, enquanto a temperatura subia em toda a península e não havia vestígios de chuva, uma chuva inesperada caiu sobre o Parlamento: em 21 de julho, o primeiro-ministro Mario Draghi renunciou. Imediatamente depois, e sem demora, o Presidente da República, Sergio Mattarella, entrou em cena, convocando eleições para 25 de setembro.

A foto do adeus

Sabe-se que muitas vezes uma imagem explica uma determinada situação melhor do que qualquer explicação racional. Foi o que aconteceu no final de junho, quando o ainda primeiro-ministro foi fotografado sentado em um banco no Museo del Padro, de Madri, enquanto falava ao celular de costas para os outros líderes que participaram com ele de uma cúpula da Otan. Naquele dia, analistas e a mídia se perguntavam qual era o motivo daquele gesto, o que estava por trás da agora famosa foto. O motivo não era apenas grave, mas também fundamental: o primeiro-ministro começou a entender naquelas horas que seu governo estava com problemas.

De volta a Roma, depois de várias tentativas de superar a situação, Draghi renunciou perante o Parlamento quando foi encurralado por algumas forças de sua ampla e multicolorida coalizão que conseguiu criar uma manobra anti-premier em duas etapas.

No primeiro ato, foi o Movimento 5 Estrelas liderado pelo ex-primeiro-ministro Giuseppe Conte que bateu a porta. Depois foi a vez da Liga dos inquietos Matteo Salvini e Forza Italia, e a desgastada formação, do sempre presente, Silvio Berlusconi, 85 anos. Nas diferentes reuniões realizadas pela centro-direita na mansão romana dos Cavaliere, esses três partidos consideraram que os benefícios de se despedir de Draghi eram maiores do que os custos de continuar apoiando o governo.

Publicidade

Qual foi a resposta do ex-presidente do Banco Central Europeu?

O primeiro-ministro evitou tentar o nascimento de outro governo (uma espécie de Draghi II) com uma nova maioria parlamentar: isso significaria voltar aos costumes da velha política italiana, uma pirueta arriscada e estéril que também colide com o rigor e o pragmatismo que caracterizar. Draghi fez o contrário, pois deixou claro que só aceita liderar uma coalizão compacta formada por partidos convencidos até o âmago das tarefas incontornáveis ​​diante das diferentes emergências do país, como os efeitos da guerra na Ucrânia e os estragos do Covid.

Se passarmos das causas da crise para suas consequências, todos os olhos estão agora voltados para Fratelli d’Italia (Irmãos da Itália), desde o início um bravo e bem-sucedido oponente do governo Draghi.

Para entender o que pode acontecer nas eleições, é preciso colocar justamente esse partido sob uma lupa. Fratelli d’Italia é liderado por Giorgia Meloni, a quem muitos meios de comunicação apelidaram de Ducetta: qualquer referência ao Duce Mussolini não é acidental.

Publicidade

Em um país com uma longa história de partidos de centro-esquerda, centro-direita e até centro-centro, Fratelli é quase uma exceção, pois é, sem dúvida, uma formação de direita-direita. Para muitos, puro e simples pós-fascista, dados os contatos com a extrema direita, acusações não muito diferentes das que existem, por exemplo. na França sobre as influências fascistas de Marine Le Pen. Meloni nega todo tipo de ambiguidade com extremismo e promete: “Não vamos nos deixar assustar”.

De uma forma ou de outra, e até por razões técnicas (a lei eleitoral vigente), Meloni e seus Fratelli dão a impressão de que já estão saboreando a vitória de setembro. A líder de direita vem subindo posições em todas as pesquisas e hoje, com consistentes 22,8%, seu partido é o favorito dos italianos. Com 22,1%, segue de perto o Partido Democrático (PD) liderado por Enrico Letta, uma formação que tem duas almas, uma pós-comunista e outra católica.

Na busca de alianças

Quando se trata de imaginar futuras coalizões eleitorais, a situação da centro-esquerda italiana é líquida ou, para dizer com menos elegância, caótica. Os dados falam claramente: sentado no topo das pesquisas, Meloni se prepara para governar. Ela poderia, assim, tornar-se a primeira premiê feminina na história italiana. Claro, ele deve primeiro ganhar as eleições. Portanto, o desafio de Letta, a quem muitos apoiadores pedem mais pulso e firmeza, é encontrar a fórmula mágica que permita ao PD montar uma aliança eleitoral atraente com outros partidos. A tarefa não é nada fácil: há quem, por exemplo, queira que Letta seja “mais à esquerda”, mas também há quem lhe peça que não se afaste da moderação.

Publicidade

Trio Salvini-Berlusconi-Meloni

A criação de uma aliança eleitoral é, na verdade, uma questão especulativa: a frente conservadora também tem esse problema. É verdade que Meloni olha o resto dos partidos no topo das pesquisas, mas também Fratelli d’Italia deve se unir com outras forças para chegar com calma à nomeação eleitoral em 25 de setembro e realizar seu sonho de conquistar o Palazzo Chigi, a sede do governo.

O grupo conservador e anti-Draghi formado por Salvini-Berlusconi-Meloni não é um trio muito afinado, apesar de haver um ponto fundamental em que os três chegaram a um acordo crucial: tanto o líder da Liga quanto o Cavaliere aceitou a posição de Meloni sobre o principal candidato do bloco conservador nas eleições, cujo nome será, portanto, indicado pelo partido da coalizão que obtiver mais votos nas eleições (muito provavelmente a própria Meloni).

Sem perder de vista as pesquisas, a centro-direita agora quer ganhar as eleições, haverá tempo para brigas internas: por exemplo, sobre a questão da guerra na Ucrânia, já que Berlusconi e Meloni são pró-ocidentais enquanto Salvini tem uma posição menos líquida com Moscou.

Publicidade

O líder liguista rejeita as insinuações que lhe chegam de “uma esquerda dividida e desesperada que passa o tempo procurando fascistas, russos e racistas… eles são falsos. Finalmente, assegurou, em 25 de setembro tudo vai mudar.” Meloni, por sua vez, rapidamente chegou ao cruzamento, confirmando seu firme “apoio à Ucrânia” e o fato de que, com a centro-direita no poder, “a Itália será um país confiável” internacionalmente.

Um caso diferente é o do Movimento 5 Estrelas. Depois de varrer as eleições de 2018 como a grande novidade “anti-sistema” na política nacional, as 5 estrelas se dividiram em três ou quatro grupos diferentes. Hoje são uma nebulosa com destino incerto: do partido compacto de 2018 resta apenas a memória e os impulsos populistas. Será preciso ver onde vai parar esse importante fluxo de votos conquistado há cinco anos.

Riscos

E Draghi, o que será do ex-presidente do BCE? Enquanto aguarda as eleições, conforme previsto na Constituição, o primeiro-ministro demissionário continua a trabalhar, obviamente com poderes limitados.

Em relação ao seu futuro, e para além de eventuais posições internacionais de primeira linha, o dado fundamental é que na Itália nasceu a chamada “agenda Draghi”, uma série de temas considerados fundamentais para o desenvolvimento do país: da luta à inflação , que subiu novamente após décadas de preços estáveis, para um novo modelo de energia como resultado dos cortes de gás russos. Em muito pouco tempo, o governo conseguiu reduzir sua dependência do gás da Rússia, ampliando significativamente as importações da Argélia e de outros países.

A gestão do histórico Plano Europeu de Recuperação e Resiliência também é essencial: uma montanha de dinheiro (191 bilhões de euros), na verdade um novo Plano Marshall para financiar centenas de projetos em áreas como saúde, educação, energia, uma oportunidade única para mudar o cara do país.

Para a União Europeia, e não só, Draghi representa uma garantia que assegura estes financiamentos e um arranque concreto e transparente dos projetos. A Itália tem um peso importante (econômico, demográfico, histórico, cultural) dentro da UE e suas decisões são muito influentes. Impulsionar a dinâmica da economia peninsular e ultrapassar a fase de instabilidade e incerteza iniciada com a queda do governo é vital não só para o país, mas para toda a Europa.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.