Obra de Frida Kahlo é vendida por US$ 34,9 milhões e marca novo recorde para a artista

O autorretrato é a obra de arte latino-americana mais valiosa já vendida em um leilão

Obra de Frida Kahlo é vendida por US$ 34,9 milhões e marca novo recorde para a artista
(Crédito: Reprodução Redes Sociais/ @Sothebys)

Um autorretrato da artista Frida Kahlo foi vendido por US $ 34,9 milhões, novo recorde para um artista latino-americano em leilão. Frida Kahlo, é uma artista conhecida por sua intensidade emocional bruta, o autorretrato foi vendido na Sotheby’s, uma sociedade de vendas por leilão com sede na cidade de Londres, na noite de terça-feira.

Publicidade

Concluída cinco anos antes de sua morte em 1954, a pintura a óleo, “Diego e eu”, é um dos autorretratos finais de Kahlo e um exemplo da intimidade perturbadora que atraiu colecionadores a suas pinturas. O trabalho oferece uma janela para seu casamento turbulento com o muralista mexicano Diego Rivera, que é retratado logo acima dos olhos lacrimejantes do artista.

Ao estabelecer um novo recorde para um artista latino-americano em leilão, Kahlo superou a referência estabelecida por Rivera em 2018, quando uma de suas pinturas foi vendida em leilão por US $ 9,76 milhões – ou o equivalente a US $ 10,75 milhões hoje, contabilizando a inflação.

Kahlo, que nasceu em 1907 na Cidade do México, começou a pintar em 1926 enquanto se recuperava de um acidente de ônibus que a deixou com dores crônicas. Ela desenvolveu uma rica iconografia tocando nos reinos da vida e da morte, misturando violência e vulnerabilidade de maneiras que muitas vezes chocavam os telespectadores ao forçar as normas de gênero. Ela morreu aos 47 anos.

A última vez que “Diego and I” foi vendido na Sotheby’s foi em 1990, quando se tornou a primeira obra de um artista latino-americano a ser vendida por mais de US $ 1 milhão. O valor das pinturas de Kahlo aumentou substancialmente desde os anos 1980, quando um de seus retratos foi vendido por US $ 85.000. Alguns historiadores da arte atribuem o salto de preço à disponibilidade cada vez mais limitada de suas pinturas, segundo o The New York Times.

Publicidade

”’Diego y yo (Diego e I)’ , de Frida Kahlo, foi adquirido pela Coleção Eduardo F. Costantini, um renomado colecionador com um compromisso de longa data em apoiar a arte e os artistas latino-americanos e fundador do Malba, Museo de Arte Latinoamericano de Buenos Aires.”

Publicidade