Opinião

Os Le Pen, do nazismo à islamofobia

*Por Nancy Giampaolo – De Paris. Jornalista, professora e roteirista.

Os Le Pen, do nazismo à islamofobia
Marine Le Pen e o pai, Jean-Marie Le Pen (Crédito: Patrick Durand/Getty Images)

As últimas eleições na França deixaram um gosto amargo. Apesar de reeleito, Emmanuel Macron recebeu, quase desde o início de seu primeiro governo, críticas da direita e da esquerda. Desde o início, ele teve que lidar com os Coletes Amarelos, um movimento popular que para muitos é um saco de gatos, devido a uma diversidade excessiva de linhas políticas entre seus membros que acabam se anulando.

Publicidade

Ao restringir as manifestações de rua, a pandemia deu-lhe a oportunidade de subir simbolicamente de posto, erguendo-se como o comandante da “guerra contra um inimigo invisível”, mas as dúvidas sobre suas decisões continuaram e ele é frequentemente chamado de “mal menor”, alguém preferível apenas contra um inimigo que pode ser vislumbrado como ainda mais catastrófico. O mal superior não é outro senão Marine Le Pen, filha do lendário Jean-Marie, cuja proposta política encontra semelhanças com a de Donald Trump, mas também diferenças profundas.

Embora lidere negócios milionários, Marine não tem uma carreira como a do líder republicano: ela tem uma linhagem e filhos que vivem em conflito. Um longo caminho familiar que soube moldar-se de acordo com os tempos e que não hesita em cortar as cabeças dos seus, que a precedem e a sustentam. Como seu pai contra Jacques Chirac, a advogada de 53 anos favoreceu a vitória de seu oponente porque há muitos eleitores com medo de um ressurgimento da xenofobia no país. Fundadora da Frente Nacional, Jean-Marie a preparou para a política desde o início. Aos 19 anos, Marine já participava das reuniões do partido que mais tarde assumiria, deslocando a quem lhe legou a ideia de um país modelo que quer se livrar dos imigrantes.

Embora se gabe da independência de poderes contrários aos interesses do país, os negócios e alianças de Marine não parecem ir nessa direção e uma das maiores críticas que recebeu é a de mentir na campanha. “Ela se cerca de gatinhos nas manchas para parecer melhor”, zombou a imprensa. Em um bom relacionamento com Israel por meio de Louis Aliot, seu atual sócio e vice-presidente de seu partido, Marine não parece muito interessada em perpetuar, pelo menos de fora, o antissemitismo de seu pai. Em troca, ela redirecionou os canhões xenófobos com os quais cresceu na direção do Islã, propondo, entre outras coisas – e em sintonia com algumas famosas feministas francesas da segunda onda, como Elisabeth Badinter – a proibição em locais públicos do véu usado por mulheres muçulmanas. Direcionar gestos paternalistas e discriminatórios a mulheres imigrantes que se vestem de acordo com suas crenças não tem sido uma grande estratégia, mas o desempenho eleitoral de Marine foi bem-sucedido. Da esquerda encabeçada por Jean Luc Melenchon, eles se perguntam o que está acontecendo na França contemporânea que levou ao voto de alguém que não hesita em promover deportações que envolvem colocar muitos dos deportados em risco de morte, dividir famílias e consolidar a fantasia de uma França branca que não existe há muito tempo.

Analistas concordam que a capacidade de Marine de questionar as classes mais prejudicadas pelo modelo macroniano tem sido fundamental e que ele planeja continuar seduzindo eleitores no futuro. Mais à direita, Eric Zemmour, candidato da mídia que propõe retirar os muçulmanos do meio ambiente para que a “verdadeira França” volte a existir, é outro sinal claro de uma xenofobia que não cede. O que em algum momento foi colaboracionismo, é hoje a vocação de “limpar” o território dos estrangeiros. Ao contrário de Marine, Zemmour não tem como alvo as classes trabalhadoras, mas, como ela, cultiva um tipo de discriminação que não concorda com nenhum tipo de nazismo. De fato, durante o primeiro turno das eleições, sua assessoria de imprensa preparou um mailing com destinatários exclusivamente judeus que foram convidados a votar nele para combater conjuntamente o avanço dos muçulmanos, em grande parte da África negra. É essa personagem beirando o ridículo que a caçula da família Le Pen escolheu para unir forças, Marion Marechal, neta de Jean-Marie, uma crítica ferrenha de sua tia Marine e, com apenas 32 anos, uma temível promessa de extrema xenofobia para um país que, apesar de tudo, continua a falar de liberdade, igualdade e fraternidade.

Publicidade

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.

Publicidade