diplomacia

Putin desembarca na Coreia do Norte pela primeira vez em 24 anos

Esta visita é uma das raras viagens ao exterior de Putin desde que ele lançou a invasão da Ucrânia em 2022

O presidente russo Vladimir Putin chegou à Coreia do Norte e deve se encontrar com o líder Kim Jong-un, sinalizando um aprofundamento da aliança entre os dois países e a necessidade de Moscou de obter armas de Pyongyang para sustentar sua guerra na Ucrânia.
Bandeiras da Rússia “enfeitaram” as ruas de Pyongyang – Créditos: Getty Images

O presidente russo Vladimir Putin chegou à Coreia do Norte e deve se encontrar com o líder Kim Jong-un, sinalizando um aprofundamento da aliança entre os dois países e a necessidade de Moscou de obter armas de Pyongyang para sustentar sua guerra na Ucrânia.

Publicidade

As ruas da capital asiática foram decoradas com bandeiras russas e cartazes de Putin antes de sua chegada nas primeiras horas da manhã de quarta-feira, horário local – sua primeira visita ao país desde 2000. Esta visita é uma das raras viagens ao exterior de Putin desde que ele lançou a invasão da Ucrânia em 2022, e é um momento importante para Kim, que não recebeu outro líder mundial em seu país politicamente isolado desde a pandemia de Covid-19.

A visita de Putin será acompanhada de perto por todo o mundo e deve consolidar ainda mais a crescente parceria entre as duas potências, baseada em sua animosidade compartilhada em relação ao Ocidente e impulsionada pela necessidade de Moscou de munições para sua guerra na Ucrânia.

Após a visita à Coreia do Norte, Putin está programado para viajar a Hanói, em uma demonstração dos laços do Vietnã, governado pelo Partido Comunista, com a Rússia – algo que provavelmente irritará os Estados Unidos.

A viagem de Putin à Coreia do Norte terá uma agenda “muito movimentada”, disse seu assessor Yuri Ushakov durante uma coletiva de imprensa na segunda-feira. Ambos os líderes planejam assinar uma nova parceria estratégica, afirmou Ushakov.

Publicidade

O porta-voz de segurança nacional dos EUA, John Kirby, disse a repórteres na segunda-feira que a administração Biden não estava “preocupada com a viagem” em si, mas acrescentou: “O que nos preocupa é o aprofundamento da relação entre esses dois países.”

Os EUA, a Coreia do Sul e outros países acusaram a Coreia do Norte de fornecer ajuda militar substancial ao esforço de guerra da Rússia nos últimos meses. Observadores levantaram preocupações de que Moscou possa estar violando sanções internacionais para ajudar Pyongyang no desenvolvimento de seu incipiente programa de satélites militares. Ambos os países negaram as exportações de armas norte-coreanas.

A viagem de Putin retribui uma visita feita por Kim em setembro passado, quando o líder norte-coreano viajou em seu trem blindado para a região do extremo leste da Rússia, em uma visita que incluiu paradas em uma fábrica que produz jatos de combate e uma instalação de lançamento de foguetes.

Publicidade

Tensão entre Norte e Sul

A visita também ocorre em um momento de tensões elevadas na península coreana, em meio a crescentes preocupações internacionais sobre as intenções do líder norte-coreano, que intensificou a retórica beligerante e abandonou uma política de longa data de buscar a reunificação pacífica com a Coreia do Sul.

A Coreia do Sul disparou tiros de advertência na terça-feira após soldados norte-coreanos que trabalhavam na Zona Desmilitarizada (DMZ) separando as duas Coreias cruzarem brevemente para o Sul, de acordo com o Estado-Maior Conjunto da Coreia do Sul, o segundo incidente do tipo nas últimas duas semanas.

Relação amigável entre Kim e Putin

Kim elogiou na semana passada o futuro dos “laços significativos e camaradagem estreita” entre os países em uma mensagem a Putin, comemorando o dia nacional da Rússia em 12 de junho.

Publicidade

“Nossos povos dão total apoio e solidariedade ao trabalho bem-sucedido do exército e do povo russos”, disse Kim, segundo o jornal oficial Rodong Sinmun.

Em um artigo para o mesmo jornal publicado na manhã de terça-feira, horário local, Putin agradeceu a Pyongyang por mostrar “apoio inabalável” à guerra da Rússia na Ucrânia e disse que os dois países estavam “prontos para enfrentar a ambição do Ocidente coletivo.”

Ele afirmou que os dois países estavam “avançando ativamente sua parceria multifacetada” e desenvolveriam “mecanismos alternativos de comércio e liquidações mútuas não controlados pelo Ocidente, se oporiam conjuntamente a restrições unilaterais ilegítimas e moldariam a arquitetura de segurança igual e indivisível na Eurásia.”

Putin visitou a Coreia do Norte pela última vez em 2000, seu primeiro ano como presidente da Rússia, onde se encontrou com o predecessor de Kim e falecido pai, Kim Jong Il.

Reunião do G7

O encontro ocorre poucos dias após uma cúpula do Grupo dos Sete (G7) das economias desenvolvidas na Itália, com a presença do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, onde os líderes ocidentais reiteraram seu apoio duradouro à Ucrânia e concordaram em usar os lucros de ativos russos congelados para apoiar um empréstimo de US$ 50 bilhões ao país devastado pela guerra.

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber grátis o Menu Executivo Perfil Brasil, com todo conteúdo, análises e a cobertura mais completa.

Grátis em sua caixa de entrada. Pode cancelar quando quiser.