Resultados eleitorais imprevisíveis

*Por Jaime Duran Barba – Professor da GWU. Membro do Clube Político Argentino.

Resultados eleitorais imprevisíveis
A base de apoio dos vencedores não foram as capitais ou grandes cidades, mas as redes sociais e os grupos heterogêneos que as habitam (Crédito: Henry Nicholls-WPA Pool/ Getty Images)

Há algumas semanas, Gustavo Metro apareceu na capa da revista colombiana Semana de Colômbia como um gigante cercado por anões que competiam com ele pela presidência da Colômbia, sem qualquer possibilidade de chegar perto. Havia um consenso no país de que Petro, um candidato sólido com um grande histórico, apoiado por uma multidão de partidos e organizações de esquerda e progressistas, era invencível. Os números dos inquéritos, incluindo os de diagnóstico da situação que o nosso grupo fez, confirmaram-no.

Publicidade

Na reta final, Federico “Fico” Gutiérrez, candidato independente, que não se encaixa nas definições políticas tradicionais, ex-prefeito de Medellín, aparece como o único que poderia vencer Petro. Por mais perto que esteja na corrida de cavalos, a verdade é que é o único que se desvencilhou do conjunto de contentores e que capitaliza a polarização produzida por um candidato de esquerda.

Gutiérrez deixou claro que é um candidato de centro, que não se importa se é rotulado como de direita ou de esquerda, em um país em que, há mais de um século, a Casa de Nariño permanece nas mãos de liberais ou conservadores, com a única exceção da ditadura de Rojas Pinilla.

O padrão de todas as eleições pós-pandemia na América Latina se repete: nem Fico, nem Gabriel Boric, nem Pedro Castillo apareceram nas pesquisas até o final, como candidatos relevantes. Nenhum deles contou com o apoio dos aparatos dos partidos e coligações que governaram seus países nas últimas décadas. Nem de líderes do establishment local ou global, tanto de esquerda quanto de direita.

Tampouco formaram uma rede de locais de campanha que alcance todo o país, nem uma rede de “operadores políticos” que ajudam a manipular os eleitores. Eles não tinham um programa de governo sólido, aprovado pelas elites tradicionais e pela imprensa, para servir de alvo para seus adversários. Essa aprovação leva a certas derrotas.

Publicidade

Alguns dirão que a falta de um programa dificulta a governabilidade pela multiplicidade de demandas das próprias bases eleitorais, mas escrever um programa coerente, que leva ao fracasso, é menos útil do que mover-se dentro de uma ampla plataforma que permita vencer.

Do ponto de vista prático, a campanha mais cara é aquela que se perde, embora os derrotados possam se dar ao luxo de passar o resto de suas vidas em programas de TV, dizendo que é muito fácil ganhar, que eles realmente não procuraram isso, que o importante é governar, o que eles não puderam fazer quando perderam.

A base de apoio dos vencedores não foram as capitais ou grandes cidades, mas as redes sociais e os grupos heterogêneos que as habitam. Nenhum deles percorreu o país cercado por líderes políticos, governadores, senadores, deputados, bispos ou pessoas famosas que representam o sistema. Sua solidão deu uma mensagem clara: não somos os mesmos.

Publicidade

Tampouco foram pessoas que se apresentaram várias vezes como candidatas à Presidência, nem tiveram uma longa carreira como parlamentares. Eles vieram de fora do sistema.

Em geral, os eleitores não acreditam em políticos. Tantas acusações foram feitas, merecidas ou não, que as pessoas fizeram um resumo injusto: são todas ruins. Digo que é injusto porque muitos políticos que conheço pessoalmente em todos os países são pessoas que realmente querem trabalhar para o bem de seu país.

Somente o trabalho concreto, não as promessas, mantém em primeiro plano alguns ex-prefeitos eficientes que foram salvos da acusação de pertencer ao antigo establishment, porque foram prefeitos de sucesso como o próprio Fico em Medellín, Andrés Manuel López Obrador, atual presidente do México , e os dois principais candidatos a ocupar Los Pinos, Marcelo Ebrard e Claudia Sheinbaum, chefes de governo da cidade. O eixo da mensagem dos vencedores foi “somos diferentes”.

Publicidade

As mudanças produzidas pela terceira revolução industrial foram aceleradas pela pandemia. Todas as ciências, e também aquelas que estudam o comportamento humano, se desenvolveram com uma velocidade que cresce exponencialmente.

O modelo desmoronou

A cada semana surgem os resultados de novas pesquisas que nos permitem compreender o complexo funcionamento do ser humano, por que queremos ou rejeitamos o que nos cerca.

As redes transformam nossas relações com outros seres humanos e também a forma como nos comunicamos. Famílias, empresas, a mídia muda, não a mais fossilizada das atividades: a política.

Publicidade

Em todas as eleições realizadas após a pandemia, apareceram muitos candidatos, 17 no Peru, 16 no Equador, vinte na Costa Rica. Poucos deles chegaram ao top 1%, mas todos acreditavam que poderiam vencer.

Eles subiram em uma cadeira, fizeram discursos e leram programas que ninguém se importa e depois disseram que não queriam ganhar, que as pessoas são burras, que sabiam governar, mas a maioria não os entendia.

Nestes meses a única coisa clara é que os resultados foram imprevisíveis, nenhum dos que ganharam parecia ter qualquer chance seis meses antes das eleições. Quem mais errou foram os militantes dos partidos e das ideologias, pois generalizou-se a rejeição das velhas formas de política e de tudo o que representa a ordem estabelecida.

Assunto com antecedentes

Donald Trump triunfou ao quebrar as regras do jogo da política americana, estrelou um reality show, patrocinou a tomada do Capitólio e o colapso da ordem democrática mais antiga do mundo, mas sua estrela continua a subir. Bolsonaro é um outsider na política brasileira a caminho de uma derrota quase certa.

Os chamados socialismos do século XXI continuam a cantar Che Guevara e formaram um clube aposentado com o nome de Puebla, ao qual se juntaram os pobres argentinos.

Os processos mais recentes evidenciaram a profundidade da crise. Pedro Castillo no Peru, Gabriel Boric no Chile, Guillermo Lasso no Equador ganharam a presidência, candidatos que as pesquisas não levaram em conta ou desistiram algumas semanas antes das eleições.

Os grandes partidos e coligações foram derrotados

O apoio de líderes e grupos tradicionais subtraiu mais do que acrescentou. Quanto menos apoio político os candidatos tiveram, maior o seu sucesso.

Foi-se a ideia do século passado de que para vencer era preciso percorrer o país, organizando comitês de campanha com cheiro de cigarro, para que ativistas participassem de seminários ideológicos, jogassem cartas e distribuíssem panfletos. Os jovens fumam pouco, não se interessam por ideologias, desfrutam de um prazer maior do que pregar peças.

As mais anacrônicas formam frentes amplas, com programas definidos, em que o candidato diz o que vai fazer, em sociedades em que se perdeu o sentido de unidade nacional e a maioria rejeita o que qualquer grupo parcial pede.

Eles negam as urnas. Afirmam que não os utilizam porque San Martín não o fez para cruzar a cordilheira com o exército dos Andes. Eles não são consistentes. Se foram, seguiram o exemplo do Libertador caçando galos no bairro para pegar suas canetas para escrever com eles, jogando fora seus computadores. Talvez eles também atraíssem a atenção trocando seus carros e passagens de avião por pôneis bem-criados.

As mudanças que ocorreram são tão enormes que é necessário um esforço enorme para entendê-las. Como dizia um professor jesuíta, desde a época em que estudávamos filosofia, “ter as coisas muito claras é típico dos tolos”, e ainda mais quando a realidade virtual desloca a realidade física todos os dias.

Com a chegada da primavera, termina o primeiro semestre da pós-graduação em gestão política na Graduate School of Political Management da George Washington University, onde lecionamos há vários anos. Em mais duas semanas realizaremos nosso tradicional curso anual, que teve um hiato de dois anos devido à pandemia.

Os estrategistas de campanha de Boric estarão presentes como palestrantes, e Santiago Nieto explicará em detalhes o que aconteceu no segundo turno das eleições equatorianas, em que Guillermo Lasso implementou uma estratégia moderna. O seminário é organizado por Roberto Izurieta, consultor do corpo docente que, há décadas, promove atividades acadêmicas voltadas para a América Latina.

O GSPM, conhecido como West Point da política, foi sediado em Washington na década de 1990 sob a liderança do reitor Christopher Arterton e formou quase mil especialistas em política aplicada, a grande maioria deles americanos.

Desde a sua criação, o corpo docente deu continuidade aos esforços dos consultores liderados por Joseph Napolitan, que desde 1960 discutiam a importância das imagens para comunicar e analisavam as mudanças produzidas pela terceira revolução industrial nos eleitores.

A grande polêmica começa sobre se a comunicação política deve privilegiar palavras ou imagens foi superada. Na academia, ninguém em sã consciência atualmente defende a escolha racional, nem a comunicação alfa-sinal.

As imagens foram superadas pelos múltiplos estímulos que os eleitores recebem através das redes e sua atitude participativa e exigente nas campanhas contemporâneas.

Por ocasião do seminário, será lançado nosso novo livro, A nova sociedade, caos na política contemporânea, editado em Buenos Aires pela Random House, no qual são discutidos diversos temas abordados neste artigo.

O ato acontece exatamente vinte anos depois de apresentarmos, na mesma universidade, o livro conjunto com Napolitano, Cem Passos para o Poder. Esperamos lançar mais um livro na próxima Feira do Livro de Buenos Aires.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.