6 de janeiro de 2021

Trump alega ser alvo de investigações do ataque ao Capitólio nos EUA

investigação analisou uma série de esquemas usados por Trump e seus aliados para evitar a derrota na eleição

O ex-presidente Donald Trump afirmou que recebeu uma suposta "carta de destino" ligada à investigação criminal do ataque ao Capitólio nos EUA
(Crédito: Tom Pennington/Getty Images)

O ex-presidente estadunidense Donald Trump afirmou hoje (18) que recebeu uma suposta “carta de destino” ligada à investigação criminal dos seus esforços para manter o poder depois de perder a eleição de 2020 – sinal de que ele provavelmente será indiciado no caso.

Publicidade

Pela legislação dos Estados Unidos, a carta de destino é enviada quando um advogado dos EUA tem “evidências substanciais” ligando alguém à prática de um crime, ou seja, não formaliza a acusação, mas informa à pessoa que ela está sendo investigada.

De acordo com informações do jornal The New York Times, a investigação analisou uma série de esquemas usados por Trump e seus aliados para evitar a derrota na eleição, o que inclui os eventos do dia 6 de janeiro de 2021: uma rebelião conduzida por seus apoiadores que culminou na invasão do Capitólio.

Depois de os resultados da eleição serem divulgados, Donald Trump passou semanas insistindo publicamente que havia vencido, e procurando maneiras de permanecer no poder, chegando a considerar o uso de aparato do governo para apreender máquinas de votação.

Ele acabou incentivando uma multidão que estava em um comício próximo à Casa Branca a marchar até o Capitólio enquanto a vitória de Joe Biden estava sendo certificada. Membros da multidão invadiram o prédio, alguns gritando “enforquem Mike Pence!” e outros perseguindo a oradora Nancy Pelosi.

Publicidade

Esta é a segunda carta do tipo que o ex-presidente recebe. A primeira, que foi encaminhada a ele em junho, estava ligada ao inquérito sobre o manejo de material de defesa nacional por Trump depois que ele deixou o cargo, e sua suposta obstrução dos esforços para recuperá-lo. Dias depois de a carta vir a público, o político foi alvo de 37 acusações criminais abrangendo sete violações diferentes da lei federal.

A segunda carta, também enviada pelo conselheiro especial Jack Smith, foi comentada por Trump em sua própria rede social – a Truth Social – onde ele também atacou Smith, chamando-o de “louco“. O ex-presidente escreveu que havia recebido a carta no domingo (16), e que lhe deram quatro dias para se apresentar a um grande júri. A expectativa é de que ele não atenda ao prazo.

Publicidade

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber grátis o Menu Executivo Perfil Brasil, com todo conteúdo, análises e a cobertura mais completa.

Grátis em sua caixa de entrada. Pode cancelar quando quiser.