clima extremo

Verão começa no hemisfério norte com mortes e onda de calor extremo

Especialistas apontam que a mudança climática pode novamente alimentar temperaturas recordes, potencialmente superando o verão passado como o mais quente em 2 mil anos

https://brasil.perfil.com/wp-content/uploads/2024/06/Onda-de-calor-afeta-grande-parte-do-Pais-nesta-semana_resized.png
Quatro continentes sofrem com números escaldantes – Créditos: Inmet

Ondas de calor mortais estão assolando cidades em quatro continentes enquanto o Hemisfério Norte marca o primeiro dia de verão. Especialistas apontam que a mudança climática pode novamente alimentar temperaturas recordes, potencialmente superando o verão passado como o mais quente em 2 mil anos.

Publicidade

Países árabes registram mortes

Recentes temperaturas recordes são suspeitas de causar centenas, senão milhares, de mortes na Ásia e Europa. Na Arábia Saudita, quase dois milhões de peregrinos muçulmanos estão concluindo o hajj na Grande Mesquita em Meca esta semana. No entanto, centenas morreram durante a jornada em meio a temperaturas acima de 51°C (124°F), segundo relatórios de autoridades estrangeiras.

Fontes médicas e de segurança do Egito informaram à Reuters na quinta-feira que pelo menos 530 egípcios morreram durante o hajj, um aumento em relação aos 307 relatados no dia anterior. Outros 40 permanecem desaparecidos.

Incêndios no Mediterrâneo

Países ao redor do Mediterrâneo enfrentaram mais uma semana de temperaturas escaldantes, contribuindo para incêndios florestais de Portugal à Grécia e ao longo da costa norte da África, na Argélia, de acordo com o Earth Observatory da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA.

Leste Europeu

Na Sérvia, meteorologistas preveem temperaturas em torno de 40°C (104°F) esta semana, com ventos do Norte da África impulsionando uma frente quente pelos Bálcãs. Autoridades de saúde declararam alerta vermelho e aconselharam as pessoas a não saírem de casa. O serviço de emergência de Belgrado relatou 109 intervenções durante a noite para tratar pessoas com condições cardíacas e crônicas de saúde.

Publicidade

No vizinho Montenegro, autoridades de saúde também alertaram para que as pessoas permanecessem à sombra até o final da tarde. Dezenas de milhares de turistas buscaram refresco nas praias ao longo da costa adriática.

A Europa enfrenta uma onda de mortes e desaparecimentos de turistas devido ao calor extremo. Na segunda-feira, a polícia informou que um americano de 55 anos foi encontrado morto na ilha grega de Mathraki, a terceira morte de turistas em uma semana.

EUA sob domínio de calor

Uma vasta faixa do leste dos EUA sofre pelo quarto dia consecutivo sob uma cúpula de calor, um fenômeno em que um sistema de alta pressão forte prende o ar quente sobre uma região, impedindo a entrada de ar frio e mantendo as temperaturas do solo altas.

Publicidade

Nova York abriu centros de resfriamento de emergência em bibliotecas, centros de idosos e outras instalações. Enquanto as escolas operavam normalmente, vários distritos nos subúrbios enviaram os alunos para casa mais cedo para evitar o calor.

As autoridades meteorológicas emitiram um alerta de calor excessivo para partes do Arizona, incluindo Phoenix, na quinta-feira, com temperaturas esperadas de 45,5°C (114°F). No Novo México, incêndios florestais rápidos, agravados pelo calor escaldante, mataram duas pessoas, queimaram mais de 23 mil acres e destruíram 500 casas. Chuvas fortes poderiam ajudar a controlar os incêndios, mas tempestades também causavam inundações repentinas, complicando os esforços de combate ao fogo.

Quase 100 milhões de americanos estavam sob avisos de calor extremo na quinta-feira, de acordo com o Sistema Nacional Integrado de Informação sobre Saúde por Calor. As temperaturas devem diminuir na Nova Inglaterra na sexta-feira, mas Nova York e estados do meio-Atlântico continuarão a enfrentar calor quase recorde até o fim de semana.

Publicidade

Contagem de mortos na Índia

O verão na Índia dura de março a maio, quando as monções começam a quebrar o calor. Mas Nova Delhi registrou na quarta-feira sua noite mais quente em pelo menos 55 anos, com temperatura de 35,2°C (95,4°F) à 1h da manhã, segundo o Observatório de Safdarjung.

Cientistas dizem que a mudança climática está aumentando as temperaturas noturnas. Um estudo de 2020 da Universidade de Exeter afirma que, em muitas partes do mundo, as noites estão esquentando mais rápido que os dias.

Nova Delhi registrou 38 dias consecutivos com temperaturas máximas iguais ou superiores a 40°C (104°F) desde 14 de maio, de acordo com dados meteorológicos. Um funcionário do ministério da saúde indiano relatou mais de 40 mil casos suspeitos de insolação e pelo menos 110 mortes confirmadas entre 1º de março e 18 de junho, quando noroeste e leste da Índia registraram o dobro do número usual de dias de onda de calor.

Obter contagens precisas de mortes por ondas de calor é difícil. A maioria das autoridades de saúde não atribui mortes ao calor, mas às doenças exacerbadas pelas altas temperaturas, como problemas cardiovasculares. Assim, as mortes relacionadas ao calor são subestimadas, ignorando milhares, senão dezenas de milhares de casos.

Intensificação de ondas de calor

Ondas de calor ocorrem em um contexto de 12 meses consecutivos classificados como os mais quentes em comparações ano a ano, segundo o serviço de monitoramento de mudanças climáticas da União Europeia. A Organização Meteorológica Mundial afirma que há 86% de chance de um dos próximos cinco anos superar 2023 como o mais quente já registrado.

Com temperaturas globais médias subindo quase 1,3°C (2,3°F) acima dos níveis pré-industriais, a mudança climática está alimentando picos de temperatura mais extremos, tornando as ondas de calor mais comuns, intensas e duradouras. Em média, uma onda de calor que ocorreria uma vez em 10 anos no clima pré-industrial agora ocorre 2,8 vezes em 10 anos e é 1,2°C mais quente, segundo o grupo internacional de cientistas da World Weather Attribution (WWA).

Cientistas alertam que as ondas de calor continuarão a se intensificar se o mundo continuar a liberar emissões de gases de efeito estufa. Se o aquecimento global atingir 2°C (3,6°F), as ondas de calor ocorrerão em média 5,6 vezes em 10 anos e serão 2,6°C (4,7°F) mais quentes, segundo a WWA.

Siga a gente no Google Notícias

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber grátis o Menu Executivo Perfil Brasil, com todo conteúdo, análises e a cobertura mais completa.

Grátis em sua caixa de entrada. Pode cancelar quando quiser.