Policiais ucranianos com a Rússia

Zelensky demite dois funcionários de segurança por “traição”

Zelensky acredita que mais de 60 trabalhadores do setor de segurança e da promotoria se opuseram contra a Ucrânia. Cerca de 651 investigações foram abertas contra policiais ucranianos por colaboração ao “país inimigo”.

Zelensky demite dois funcionários de segurança por "traição"
Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky (Crédito: Pool / Base de fotógrafos)

De acordo com o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, dois funcionários do alto escalão de órgãos de segurança e justiça estavam colaborando com a Rússia, no entanto, Zelensky resolveu demiti-los, neste domingo (17), por suposta traição. Ivan Bakanov, chefe do serviço de segurança, e Iryna Venediktova, procuradora-geral, são os dois funcionários demitidos.

Publicidade

Zelensky acredita que mais de 60 trabalhadores do setor de segurança e da promotoria se opuseram à Ucrânia. Cerca de 651 investigações foram abertas contra policiais ucranianos por colaboração ao “país inimigo“.  “Tal série de crimes contra os fundamentos da segurança nacional do Estado levanta questões muito sérias para os líderes relevantes”, afirma Zelensky.“Cada uma dessas perguntas receberá uma resposta adequada”, continua o líder.

Em vídeo publicado nas redes sociais do líder da Ucrânia, ele conta que demitiu o ex-chefe do serviço de segurança logo no início da guerra pelas mesmas razões das investigações que ganham forças agora, contra as autoridades policiais. Este ex-funcionário trabalhava na região da Crimeia, que mesmo anexada pela Rússia em 2014 continua sendo reconhecida pela Ucrânia e países do Ocidente como região ucraniana. “Foram coletadas evidências suficientes para denunciar essa pessoa por suspeita de traição. Todas as suas atividades criminosas estão documentadas”, diz Zelensky.

Tomei a decisão de destituir o Procurador-Geral do cargo e de demitir o Chefe do Serviço de Segurança da Ucrânia. Até hoje, foram registrados 651 processos criminais relacionados a atividades de traição e colaboração de funcionários de promotorias, órgãos de investigação pré-julgamento e outras agências de aplicação da lei. Em 198 processos criminais, pessoas relevantes foram notificadas de suspeita. Em particular, mais de 60 funcionários do Ministério Público e do Serviço de Segurança da Ucrânia permaneceram no território ocupado e estão trabalhando contra nosso estado. Essa série de crimes contra os fundamentos da segurança nacional do Estado e as conexões detectadas entre os funcionários das forças de segurança da Ucrânia e os serviços especiais da Rússia colocam questões muito sérias à liderança relevante. Cada uma dessas perguntas receberá uma resposta adequada“.

nbsp;

Publicidade