SUSPEITA DE CORRUPÇÃO

Notícia-crime contra Pacheco, Alcolumbre e Do Val é enviada à PGR pelo Supremo

Ação gira em torno da declaração de Marcos do Val de que ele recebeu R$50 milhões em emendas como “gratidão.”

rosa-weber-e-eleita-presidente-do-stf-posse-esta-prevista-para-setembro
Rosa Weber (Créditos: Carlos Moura/SCO/STF)

A ministra do Supremo Tribunal de Justiça (STF), Rosa Weber, enviou nesta quarta-feira (13) um pedido de manifestação para a Procuradoria Geral da República (PGR) sobre a notícia-crime contra o ex-presidente do Senado, Davi Alcolumbre (União Brasil-AP), e o atual presidente da casa, Rodrigo Pacheco (PSD-MG). O pedido também engloba o Senador Marcos do Val (Podemos-ES), que pode ser investigado por corrupção passiva.

Publicidade

A notícia-crime em questão se trata de uma entrevista dada pelo Senador Marcos do Val ao jornal O Estado de São Paulo, onde o senador afirma que recebeu R$50 milhões em emendas por apoiar Pacheco para suceder Alcolumbre na presidência do Senado.

Na entrevista, Do Val afirmou ter sido informado da verba oferecida pelo próprio Alcolumbre, que estava articulando para garantir que Pacheco o sucedesse.

A notícia-crime foi apresentada ao STF pelo senador Alessandro Vieira (PSDB-PE), que afirma que a ação descrita por Do Val “configura vantagem indevida” e pediu para que o caso fosse passado para a PGR.

Rosa Weber escreveu em seu despacho à PGR que a entrevista “causa espanto” e apresenta uma “verdadeira negociata de votos dentro do Senado Federal com uso de dinheiro público.

Publicidade

Em resposta, Rodrigo Pacheco alegou que a denúncia se trata de um “oportunismo político”. Já Do Val se manifestou dizendo que está sendo mal interpretado e que sua fala fazia referência à existência de critérios no Senado para indicações transparentes de recursos por senadores.