corrida eleitoral

‘Ranço da Faria Lima com PT já diminuiu 90%’, diz empresário

Declaração foi dada pelo presidente do Grupo Esfera, João Camargo.

ranco-da-faria-lima-com-pt-ja-diminuiu-90-diz-empresario
Ex-presidente Lula (Créditos: Victor Moriyama/Getty Images)

O presidente do grupo Esfera, João Camargo afirmou em entrevista à BBC News Brasil que o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva (PT) e o PT conseguiram diminuir em “90%” o ranço que a Faria Lima tinha pelo partido.

Publicidade

Vale ressaltar que o grupo Esfera, entre seus 50 associados, tem parcerias com importantes empresas do mercado, como Bradesco, BTG Pactual, XP Investimentos, Cosan, MRV Engenharia, Multiplan, Hapvida e Mercado Bitcoin.

Na entrevista, Camargo afirma que sua rejeição ao petista diminuiu por causa de dois fatores: o esforço de Lula em dialogar com a elite econômica e a decisão de ter como parceiro de chapa o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSB). Contudo, Camargo admite e ressalta que o favoritismo do petista na eleição fez o empresariado entender que precisa dialogar com o ex-presidente.

“Eu não estou dizendo que essa parte dos (executivos da avenida) Faria Lima, empresário, dono de laboratório farmacêutico, fintechs, os bancos, vão votar no PT. Mas hoje, aquele ranço, aquela desconfiança, já diminuiu, na minha opinião, 90%. Isso eu posso te atestar que realmente diminuiu”, afirma Camargo.

“O PT tem feito um bom trabalho de convencimento. O esforço do Lula é claríssimo. Há o esforço dele de mostrar para o establishment que ele realmente está com boas intenções, não tem ódio, continua esse Lula de 2002. Lula assegurou para a gente que não existe governo Lula, existe governo Lula e Alckmin. Disse que apesar de José Alencar ter sido um vice-presidente bom, ele realmente pegou [agora] um vice completo, um vice que entende de cofre, de despesa. Foi candidato a presidente da República duas vezes, se aplicou muito em estudar o que o Pérsio Arida [um dos idealizadores do Plano Real] fez de planejamento econômico. Ele está muito satisfeito (com a aliança com Alckmin)”, acrescentou Camargo.

Publicidade

Publicidade