Campanha quer reforçar prevenção ao vírus que causa bronquiolite

Os anticorpos monoclonais contra o VSR estão presentes no fármaco palivizumabe, que a AstraZeneca fornece tanto para a saúde privada quanto para a saúde pública no Brasil

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e a farmacêutica AstraZeneca divulgaram hoje (17) uma campanha para reforçar a prevenção aos casos de vírus sincicial respiratório (VSR) em bebês prematuros e com condições de saúde consideradas de risco para essa infecção. O vírus é o principal responsável por casos de bronquiolite e pneumonia em bebês e também está associado a uma maior frequência de internações por síndromes respiratórias nesse grupo.

Publicidade

O presidente do Departamento Científico de Imunizações da SBP, Renato Kfouri, explicou que ainda não há vacina que previna esse vírus, mas o Sistema Único de Saúde (SUS) disponibiliza, desde 2013, outra forma de prevenção: os anticorpos monoclonais, que são anticorpos artificiais que podem ser dados aos bebês mensalmente durante o período de maior circulação do vírus.

“Eles têm a função de se ligar ao vírus e impedir a adesão dele ao epitélio respiratório (mucosas). É prevenção, é imunização, mas não é vacina. É um conceito um pouco diferente. A gente oferece um anticorpo artificial, pronto, para o indivíduo”, diferencia Kfouri, já que, nas vacinas, a estratégia de prevenção é estimular o corpo humano a produzir os anticorpos.

Anticorpos

Os anticorpos monoclonais contra o VSR estão presentes no fármaco palivizumabe, que a AstraZeneca fornece tanto para a saúde privada quanto para a saúde pública no Brasil.

O Ministério da Saúde prevê que esses anticorpos devem ser oferecidos a crianças prematuras de até 29 semanas e com idade inferior a 1 ano, ou a crianças de até 2 anos com doença pulmonar crônica da prematuridade, doença cardíaca congênita ou repercussão hemodinâmica demonstrada. Segundo determinação da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), planos de saúde também devem cobrir o medicamento nesses mesmos casos.

Publicidade

Com a campanha, a Sociedade Brasileira de Pediatria pretende conscientizar pediatras sobre a importância da prescrição desses anticorpos nos casos em que ele é recomendado. Kfouri acrescenta que pais e responsáveis pelas crianças prematuras também podem levantar esse assunto nas consultas ou buscar o pediatra que acompanha o bebê, caso a prescrição não tenha sido feita.

“Esses prematuros nem sempre estão vinculados a um serviço de seguimento de prematuros. Muitas vezes, são acompanhados por pediatras da rede pública, do SUS, de consultórios particulares e muitas vezes é necessária uma atualização e uma capacitação desse profissional.”

Cuidados especiais

A campanha conta com fotos de bebês prematuros vestidos como guerreiros e guerreiras para lembrar que essas crianças passam por momentos difíceis logo após o parto e precisam de cuidados especiais para fortalecer as defesas de seus organismos. “Perder um bebê prematuro, depois de muito lutar, para uma doença respiratória evitável, prevenível, é muito triste.”

Publicidade

Além dos anticorpos artificiais, a prevenção ao vírus sincicial respiratório em bebês prematuros também deve ser feita com cuidados não farmacológicos, que devem ser reforçados nos períodos de maior circulação do vírus.

Entre essas medidas está o aleitamento materno sempre que possível, a higiene adequada das mãos (uso de álcool em gel e sabonetes germicidas), o uso de máscara, evitar que a criança respire fumaça de cigarro, retardar a entrada em creches e berçários e evitar visitas.

“Um bebê mais vulnerável é como se a gente tivesse dentro de casa uma pessoa imunocomprometida, alguém com câncer, alguém transplantado. O bebê prematuro tem uma imunidade rebaixada e por isso é mais vulnerável não só ao VSR”, explica Kfouri, que reforça a importância de que os familiares dessas crianças tomem todas as vacinas disponíveis em seu calendário no Programa Nacional de Imunizações e, assim, não transmitam outras doenças imunopreviníveis aos bebês.

Publicidade

Circulação do vírus

Como a maior parte das doenças de transmissão respiratória, o VSR circula principalmente no outono e inverno, mas essa sazonalidade também pode ser afetada por fatores como umidade e até volume de chuvas. No Brasil, o período de maior circulação desse vírus costuma começar em fevereiro no Norte, em março no Nordeste, Centro-Oeste e Sudeste, e em abril no Sul.

O período de circulação costuma durar cerca de quatro meses, e o especialista da SBP afirma que é recomendável iniciar a imunização com o palivizumabe um mês antes dessa janela, administrando o fármaco uma vez por mês por até cinco meses. Como os anticorpos já chegam prontos ao corpo das crianças, o sistema imune não aprende a produzi-lo e, por esse motivo, o remédio precisa ser administrado uma vez por mês.

Com a pandemia de covid-19, o predomínio do SARS-CoV-2 sobre outros vírus e as medidas de prevenção tomadas para conter sua circulação, outras doenças foram afetadas, o que inclui o VSR. O vírus teve sua circulação praticamente interrompida nos períodos de maior isolamento social e voltou de forma atípica em 2021, causando um aumento de casos até mesmo depois de setembro, quando já deveria estar em queda. Mesmo assim, dados do sistema InfoGripe mostram que o VSR pode ter causado mais casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) na faixa etária de menos de 1 ano que a covid-19, ao longo do ano de 2021.

Publicidade

(Agência Brasil)