monkeypox

OMS estuda mudar nomenclatura da varíola dos macacos

Cientistas indicam que mudanças na nomenclatura da doença podem evitar equívocos sobre a forma de transmissão e medidas de prevenção.

oms-estuda-mudar-nomenclatura-da-variola-dos-macacos
A doença foi nomeada desta forma na origem da descoberta inicIal do vírus em macacos, em um laboratório dinamarquês, em 1958 (Créditos: Divulgação/ OMS)

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estuda modificar a nomenclatura da doença conhecida como “varíola dos macacos”, chamada de monkeypox em inglês. A possível mudança tem como motivo evitar o preconceito e estigma contra os indivíduos infectados. Além disso, previnir situações de maus tratos contra os animais.

Publicidade

A doença foi nomeada desta forma na origem da descoberta inicial do vírus em macacos, em um laboratório dinamarquês, em 1958. Mas, de acordo com a OMS, a principal forma de contágio do vírus no surto atual é o contato entre pessoas.

Cientistas indicam que mudanças na nomenclatura da doença podem evitar equívocos sobre a forma de transmissão e medidas de prevenção contra a infecção. Margaret Harris, epidemiologista da OMS afirmou nesta terça-feira (9) que a preocupação neste momento dever ser com o controle da transmissão do vírus entre as pessoas.

“A transmissão que estamos vendo agora no grande surto de monkeypox é de pessoa para pessoa. O vírus está presente em alguns animais e observamos salto para humanos, mas não é o que estamos vendo agora. O risco de transmissão é de outro ser humano”, disse Harris.

A especialista aponta que a transmissão pode ser interrompida a partir de medidas de prevenção e do diagnóstico oportuno. “A maneira que a transmissão pode ser interrompida é se as pessoas reconhecerem que têm os sintomas busquem ajuda, recebam atendimento médico e tome precauções para evitar a transmissão”, afirmou.

Publicidade

Além disso, Margaret afirmou que a estigmatização das pessoas infectadas ou a relaço equivocada da participação dos animais na transmissão da doença pode prejudicar o controle do surto. “O mais importante é: qualquer estigmatização, de qualquer pessoa infectada, irá aumentar a transmissão por que se as pessoas estiverem com medo de se identificar como infectadas, elas não irão procurar ajuda, não vão tomar precauções e veremos mais transmissão. Não estigmatize nenhum animal ou nenhuma pessoa, por que se você fizer isso, teremos um surto muito maior”, alertou.