Desmatamento na Amazônia Legal tem aumento de 21,97% em 2021

O mapeamento é feito com base em imagens do satélite Landsat ou similares e considera como desmatamento a “remoção completa da cobertura florestal primária por corte raso, independentemente da futura utilização destas áreas”

8-dos-10-municipios-que-mais-emitem-gases-do-aquecimento-global-n-entre-os-10-municipios-brasileiros-que-mais-emitem-gases-do-efeito-estufa-os-causadores-do-aquecimento-global-oito-estao-na-amazonia
A região Norte representa 60% de todo o carbono liberado no país (Crédito: Carlos Celestino/ Secom-MT)

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) divulgou nesta quinta-feira (18) que a taxa de desmatamento na Amazônia Legal Brasileira (ALB) ficou em 13.235 quilômetros quadrados (km²) no período de 01 agosto de 2020 a 31 julho de 2021. O índice apurado pelo Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes) representa um aumento de 21,97% em relação à taxa de desmatamento do período anterior.

Publicidade

O mapeamento é feito com base em imagens do satélite Landsat ou similares e considera como desmatamento a “remoção completa da cobertura florestal primária por corte raso, independentemente da futura utilização destas áreas”.

Conforme os dados do Inpe, os estados do Pará, Amazonas, Mato Grosso e Rondônia correspondem a 87,25% do desmatamento estimado na Amazônia Legal, sendo o Pará o estado com maior contribuição absoluta de desmatamento (5.257 km2) e também o estado com menor variação percentual de desmatamento (7,31%).

Desmatamento na Amazônia Legal

Publicidade
Desmatamento na Amazônia Legal – Divulgação/Inpe

(Agência Brasil)