Menos carros serão feitos por causa da guerra

De acordo com estimativas da consultoria S&P Global Mobility, a produção de carros globalmente será reduzida em mais de cinco milhões de unidades devido à guerra

menos-carros-serao-feitos-por-causa-da-guerra
(Crédito: Canva Fotos)

Parece inacreditável que, neste ponto da história do mundo, nós, humanos, continuemos a resolver alguns problemas pela força das armas. Longe do nosso país, o conflito Rússia-Ucrânia é outro exemplo da loucura com que uns poucos estragam a vida de muitos.

Publicidade

Não há raciocínio ou análise que justifique os fatos que, mais cedo ou mais tarde, aparecem nesse tipo de conflito, abalando a opinião pública, mostrando a face mais sinistra da guerra: áreas civis atacadas, hospitais bombardeados e teatros silenciosos recebem livremente as agressões que gera essa violência sempre injustificada.

Talvez grande parte da humanidade seja composta por monstros insensíveis que só respondem ao deus do dinheiro, buscam a glória pessoal diante de seus fãs ou insistem em respeitar os ditames de ideologias que pouco ou nada têm de bom para as pessoas comuns.

Enquanto isso, alguns setores da sociedade continuam (da melhor forma que podem) com sua rotina. A indústria automotiva é uma delas, mas com uma clara mudança de ritmo.

Já mencionamos nesta página os problemas que esse conflito armado representa para várias montadoras, mas agora o problema se espalhou globalmente.

Publicidade

De acordo com a consultoria S&P Global Mobility, estima que a produção automotiva global será reduzida em mais de cinco milhões de unidades, atingindo um volume total de 81,6 milhões.

“O risco de queda é enorme”, disse Mark Fulthorpe, diretor executivo de previsão de produção global da S&P Global Mobility, em comunicado publicado por agências de notícias.

O relatório se concentra no fato de que, como resultado dessa guerra, os preços da energia e das matérias-primas estão aumentando, enquanto se especula uma nova crise de escassez de semicondutores e que o fluxo de chicotes de cabos da Ucrânia piorará.

Publicidade

Além disso, os fornecedores podem ter dificuldades para obter gás neon usado na fabricação de chips no país, bem como o paládio da Rússia, o metal base para conversores catalíticos.

Como se isso não bastasse, a nova onda de Covid-19 que surgiu na China se soma à guerra, que provocou o fechamento de fábricas de centros fabris, incluindo Shenzhen e Changchun, da Toyota, Volkswagen e Tesla.

*Texto publicado originalmente no site Parabrisas, da Editora Perfil Argentina.

Publicidade