À beira de uma floresta polonesa, onde alguns dos medos mais sombrios de Putin se escondem

Uma instalação de mísseis dos EUA na Polônia está no centro de uma questão que anima os cálculos do Kremlin sobre a guerra contra a Ucrânia

a-beira-de-uma-floresta-polonesa-onde-alguns-dos-medos-mais-sombrios-de-putin-se-escondem
Presidente da Rússia, Vladimir Putin (Crédito: Adam Berry/Getty Images)

À beira de uma floresta polonesa é onde alguns dos medos de Putin se escondem. Tomasz Czescik, um arqueólogo polonês e jornalista de televisão, passeia com seu cachorro todas as manhãs por uma floresta perto de sua casa aqui no flanco leste da Otan, vagando pela beira de uma cerca verde de arame encimada por arame farpado.

Publicidade

Ele gosta do ar fresco e do silêncio matinal, até que os alto-falantes do outro lado da cerca, com placas de “Mantenha-se afastado” em polonês, inglês, alemão e russo, começam a tocar “The Star-Spangled Banner” em alto volume.

“Eu não conheço ninguém que já esteve lá dentro”, disse Czescik, apontando por cima da cerca para um aglomerado de prédios envoltos em neblina ao longe.

A cerca é o perímetro externo, guardado por soldados poloneses, de uma instalação militar dos EUA altamente sensível, que deve estar operacional este ano, que Washington insiste que ajudará a defender a Europa e os Estados Unidos de mísseis balísticos disparados por estados párias como o Irã.

Mas para o presidente Vladimir V. Putin da Rússia, a base militar na Polônia e outra na Romênia são evidências do que ele vê como a ameaça representada pela expansão da Otan para o leste e parte de sua justificativa para o cerco militar da Ucrânia. O Pentágono descreve os dois locais como defensivos e não relacionados à Rússia, mas o Kremlin acredita que eles podem ser usados ​​para derrubar foguetes russos ou disparar mísseis de cruzeiro ofensivos em Moscou.

Publicidade

Ao ameaçar a Ucrânia, Putin exigiu que a Otan reduzisse sua presença militar na Europa Oriental e Central, o que Washington e líderes europeus se recusaram categoricamente a fazer. Putin está furioso com os mísseis americanos perto da fronteira com a Rússia desde que o site romeno entrou em operação em 2016, mas a instalação polonesa, localizada perto da vila de Redzikowo, fica a apenas 160 quilômetros do território russo e a apenas 1300 quilômetros da própria Moscou.

“Estamos implantando mísseis perto da fronteira com os EUA? Não, nós não somos. São os Estados Unidos que chegaram à nossa casa com seus mísseis e já estão à nossa porta”, disse Putin em dezembro em sua entrevista coletiva anual.

A base polonesa, cujo coração é um sistema conhecido como Aegis Ashore, contém radares sofisticados capazes de rastrear mísseis hostis e guiar foguetes interceptores para derrubá-los do céu. Também é equipado com lançadores de mísseis conhecidos como MK 41s, que os russos temem que possam ser facilmente reaproveitados para disparar mísseis ofensivos como o Tomahawk.

Publicidade

Para os moradores de Redzikowo, a ideia de que estão vivendo na vanguarda das preocupações de segurança de Putin já causou nervosismo em alguns moradores locais.

Ryszard Kwiatkowski, uma engenheira civil que trabalha na construção, disse que uma cliente que reservou um apartamento em um novo bloco que sua empresa está construindo recentemente ligou para cancelar sua compra planejada devido a preocupações de que a Rússia possa atacar a instalação de defesa antimísseis em Redzikowo e enviar valores de propriedade. pelo chão.

Ninguém realmente acha que isso é provável – isso colocaria a Rússia em conflito direto com a OTAN, da qual a Polônia é membro desde 1999. Mas, na fronteira com a Ucrânia e os Estados Unidos envia milhares de soldados adicionais para a Polônia.

Publicidade

Kwiatkowski, que participou de protestos contra a instalação americana em Redzikowo quando foi anunciada em 2016, disse que a Rússia alimentou o desconforto ao exagerar a ameaça representada pela Otan. Mas, acrescentou, ambos os lados criaram “uma máquina autopropulsora de medo” alimentada por incertezas nervosas sobre o que o outro está fazendo.

Thomas Graham, que atuou como diretor sênior para a Rússia no Conselho de Segurança Nacional do presidente George W. Bush, disse que Moscou nunca acreditou nas garantias de Washington de que seu sistema de defesa antimísseis visava o Irã, não a Rússia. A questão, acrescentou, tornou-se um símbolo poderoso para o Kremlin de uma ordem pós-Guerra Fria que considera perigosamente unilateral e que agora está tentando revisar por meio de ameaças militares.

“A crise atual é realmente muito mais ampla do que a Ucrânia”, disse Graham, “a Ucrânia é um ponto de alavancagem, mas é mais sobre a Polônia, a Romênia e os países bálticos. Os russos acham que é hora de revisar o acordo pós-Guerra Fria na Europa a seu favor.”

Publicidade

Em uma reunião com Putin na segunda-feira (13), o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey V. Lavrov, enfatizou que a Rússia queria ver “mudanças radicais na esfera da segurança europeia”, mudanças de longo alcance que vão além da Ucrânia para incluir um recuo da OTAN tropas agora na Europa Oriental, limites na implantação de armamento ofensivo e restrições em mísseis de alcance intermediário.

Tomasz Smura, diretor de pesquisa da Fundação Casimir Pulaski, um grupo de pesquisa de Varsóvia, disse: “Este é um grande problema para a Rússia”.

Mas fechar o site de Redzikowo, como Moscou quer, acrescentou ele, é uma “linha vermelha” que os Estados Unidos e a Polônia não cruzarão, embora a Otan, em resposta a uma lista de demandas feitas por Moscou em dezembro, tenha recentemente oferecido discussão sobre um “mecanismo de transparência” não especificado na esperança de acalmar as preocupações russas sobre os sites poloneses e romenos. Mas, Moscou quer muito mais do que isso.

A defesa antimísseis há muito é vista pela Rússia como uma perigosa tentativa americana de degradar o principal garantidor de seu status de grande potência, um vasto arsenal nuclear. A possibilidade de que os Estados Unidos possam derrubar mísseis balísticos russos mina a doutrina dissuasiva da destruição mutuamente assegurada, que postula que nenhuma das duas maiores potências nucleares jamais arriscaria uma guerra nuclear porque isso significaria que ambas seriam aniquiladas.

Durante a Guerra Fria, a Rússia e os Estados Unidos trabalharam no desenvolvimento de defesas antimísseis, mas concordaram em 1972 em abandonar seus programas de escudos de foguetes para preservar a vulnerabilidade mútua e, esperavam, a paz.

Funcionou por quase 30 anos. Mas, no final do primeiro ano de Putin como presidente em dezembro de 2001, o presidente George W. Bush enfureceu o novo líder russo ao retirar o Tratado de Mísseis Antibalísticos de 1972 e instruir o Pentágono a construir um sistema para afastar a possível ameaça de mísseis do Irã.

A retirada dos EUA do que havia sido uma pedra angular das relações de superpotências por décadas foi citada repetidamente pelo Kremlin como o início de seu desencanto com os Estados Unidos e a crença de Putin de que os interesses russos estão sendo desnecessariamente pisoteados.

“Tentamos por muito tempo persuadir nossos parceiros a não fazer isso”, disse Putin neste mês no Kremlin. “No entanto, os EUA fizeram o que fizeram, retiraram-se do tratado. Agora, lançadores de mísseis antibalísticos estão implantados na Romênia e estão sendo instalados na Polônia.”

Se a Ucrânia se aproximar da Otan, Putin trovejou, “ela estará cheia de armas. Armas ofensivas modernas serão implantadas em seu território, assim como na Polônia e na Romênia”.

O site Aegis Ashore na Romênia está operando há cinco anos sem incidentes, mas a Rússia vê a instalação de defesa antimísseis polonesa, anteriormente paralisada pela construção e outros problemas, como uma ameaça mais séria.

O sistema de armas foi instalado no verão passado na instalação, que deve começar a funcionar ainda este ano, disse o contra-almirante Tom Druggan, diretor do programa, em novembro. “Não está especificamente focado em ameaças vindas da Rússia, apesar do que eles dizem”, disse ele.

As garantias americanas de que apenas o Irã precisa se preocupar, no entanto, foram minadas durante o governo Trump, quando o presidente declarou que os sistemas de defesa antimísseis dos EUA “detectariam e destruiriam qualquer míssil lançado contra os Estados Unidos em qualquer lugar, a qualquer hora, em qualquer lugar”.

Washington também tem se esforçado para convencer Putin de que seus dois locais de defesa antimísseis na Europa Oriental também não têm uma capacidade ofensiva que poderia facilmente ser usada contra alvos russos.

Respondendo às reclamações russas, a OTAN declarou no mês passado que os mísseis interceptores implantados nos locais da Aegis Ashore “não podem minar as capacidades de dissuasão estratégica russa” e “não podem ser usados ​​para fins ofensivos”. Acrescentou que os interceptores não continham explosivos e não podiam atingir alvos terrestres, apenas objetos aéreos.

“Além disso, o local carece de software, hardware e infraestrutura necessários para lançar mísseis ofensivos”, disse a Otan.

Alguns especialistas independentes, no entanto, acreditam que, embora exija uma reformulação do software e outras mudanças, os lançadores MK 41 instalados na Polônia e na Romênia podem disparar não apenas interceptadores defensivos, mas também mísseis ofensivos. Matt Korda, analista da Federação de Cientistas Americanos, disse que “sem inspeções visuais, não há como determinar se esse hardware e software específico do Tomahawk foram ou não instalados nos locais da Aegis Ashore na Europa”.

Até agora, apenas militares americanos foram autorizados a se aproximar dos lançadores ou de suas unidades de controle. A Marinha dos EUA, que opera o site Aegis Ashore na Polônia, não respondeu a um pedido do The New York Times para uma visita.

Beata Jurys, a chefe eleita de Redzikowo, disse que nunca esteve dentro da instalação, instalada no terreno de uma antiga base da força aérea polonesa e um aeroporto civil fechado, e não segue argumentos técnicos sobre quais mísseis podem ser disparados por trás do cerca perto de sua casa.

Mas, não importa quem esteja dizendo a verdade, disse Jurys, as acusações de Moscou e Washington tornaram a vila um alvo potencial em caso de guerra.

“Se algo acontecer, seremos os primeiros a saber, infelizmente”, disse ela.

“O presidente Vladimir Putin participou de uma reunião ampliada do Conselho do Ministério de Emergências.”

*Por – Andrew Higgins — The New York Times

*Contribuição – Anatol Magdziarz contribuiu com a reportagem de Varsóvia.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil