luto animal

Cachorros da rainha podem sofrer com a morte da monarca?

Verdadeira amante dos animais, Elizabeth II tratava seus cães da raça corgi como filhos.

(Crédito: Getty Images)

Apaixonada por animais, a Rainha Elizabeth II nunca escondeu seu amor pelos cachorros. Os da raça corgi eram os preferidos da monarca,  que morreu no dia 8 de setembro. Muick e Sandy foram os dois últimos pets que acompanharam a rainha até o fim da vida. Mas será que os cachorros podem sofrer com a morte da monarca e passar por um processo de luto?

Publicidade

Em entrevista ao site Metrópoles, a médica veterinária Joana Barros, declarou que existem diversos indícios que os cães podem passar por alterações hormonais influenciadas por mudanças na família multiespecie e no ambiente em que vivem.

“Eles podem, assim como nós, vivenciar uma espécie de luto de seus tutores: sentem falta da rotina e do convívio… Isso também acontece quando perdem ou se separam de outros animais”, afirmou a especialista.

Ainda segundo a médica, os bichinhos pode, até mesmo, desenvolver um quadro depressivo que pode levar a morte. Por isso, é necessário ficar atento aos sinais de luto dados pelos pets, como falta de apetite e apatia.

“Eles podem se apresentar por meio do comportamento, como eram antes e ficaram depois da morte de seu tutor; se há alguma alteração física; e se estão comendo menos ou mais, por exemplo”, ressalta.

Publicidade

Durante 96 anos, o Palácio de Buckingham foi lar de cerca de 30 cães. Muitos deles eram descendentes de Susan, corgi fêmea que Elizabeth II ganhou de presente de aniversário quando completou 18 anos. A raça passou a ser comumente associada à rainha e virou sua marca registrada. Durante as celebrações do Jubileu de 70 anos da monarca, o Twitter da família real apresentou um emoji inspirado na raça. 

 

Publicidade

Com a morte da rainha, Muik e Sandy irão ficar sob os cuidados do filho mais novo de Elizabeth II, o príncipe Andrew. Nesta segunda-feira (19), os corgis participaram de uma parte do velório monarca. Eles foram vistos na entrada do Castelo de Windsor sob os cuidados de servidores da Família Real.

 

Publicidade