Homem tenta roubar cabos e é eletrocutado até a morte na Argentina

O jovem de 31 anos foi encontrado morto a cerca de 5 metros de um transformador. Fontes oficiais dizem que foi um assalto que terminou em morte por choque elétrico

mar-del-plata-um-homem-tentou-roubar-cabos-e-foi-eletrocutado-ate-a-morte
Crédito: Canva

Um homem foi eletrocutado ao tentar cortar e roubar cabos de um transformador, o incidente ocorreu na madrugada dessa quarta-feira (17) em uma área próxima ao Mar del Plata, Argentina. O corpo do homem foi identificado como Guillermo Emanuel Seitz, que segundo o relatório oficial, morreu devido a um choque elétrico, cometendo um assalto: as provas são o machado e o local onde o corpo de Seitz foi encontrado.

Publicidade

Por meio de uma ligação para o 911 no meio da manhã, a polícia foi até a pedreira Los Curros na Estação Chapadmalal, nos arredores de Mar del Plata, segundo fontes do caso relatadas ao jornal La Capital. Lá, o corpo sem vida de um homem foi localizado a cerca de cinco metros de um transformador.

O jovem foi identificado como Guillermo Emanuel Seitz, 31, que estava na área tentando roubar alguns cabos de força, mas acabou morrendo com um choque elétrico. Este último foi verificado pelo Sistema de Atendimento Médico de Emergência (SAME).

Depois de tomar conhecimento deste caso, o jornal La Capital voltou a divulgar a reportagem sobre o furto de cobre e cabos para sua revenda em sucatas perto da cidade de Mar del Plata. Esses roubos aumentam principalmente em tempos de inflação, pois os agressores sabem que o cobre e, em menor medida, o bronze, podem fazê-los ganhar dinheiro fácil.

Por essas circunstâncias e pelas evidências da cena da morte de Seitz (o machado, a localização do corpo e o que o partido oficial determinou sobre sua morte), fontes do caso afirmam que o desfecho foi fruto de uma tentativa de roubo.

Publicidade

O caso, intitulado “Investigações causas de morte”, estava a cargo do Ministério Público nº 7, com o procurador Leandro Arévalo.

*Por MM/ff

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

Publicidade

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.