Alta do combustível

Jeff Bezos critica pedido de Biden para que postos de gasolina reduzam preços

Os preços do gás nos EUA atingiram níveis recordes neste ano. Neste domingo (3), a Casa Branca rebateu as críticas de Jeff Bezos.

jeff-bezos-critica-pedido-de-biden-para-que-postos-de-gasolina-reduzam-precos
Jeff Bezos (Créditos: Chip Somodevilla/Getty Images)

Jeff Bezos, fundador da Amazon, criticou o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, por pressionar as empresas de postos de gasolina a reduzirem “imediatamente” seus preços na bomba. Ele acusa o presidente de “desorientação” ou de “um profundo mal-entendido”, em relação as forças de mercado que levaram à alta do combustível.

Publicidade

O pedido de Biden ocorreu neste sábado (02), por meio de seu Twitter. “Este é um tempo de guerra e perigo global. Baixe o preço que você está cobrando na bomba para refletir o custo que você está pagando pelo produto. E faça isso agora”, publicou o presidente.

Em resposta a Biden, o fundador da Amazon escreveu em seu Twitter que “a inflação é um problema muito importante para a Casa Branca continuar fazendo declarações como essa. Ou é um direcionamento errado direto ou um profundo mal-entendido da dinâmica básica do mercado”.

Neste domingo (3), a Casa Branca também rebateu as críticas de Bezos. “Os preços do petróleo caíram cerca de US$ 15 (o barril) no mês passado, mas os preços nas bombas mal caíram. Isso não é ‘dinâmica básica de mercado’. É um mercado que está falhando com o consumidor americano”, disse Karine Jean-Pierre, secretária de imprensa da Casa Branca.

Publicidade

“Obviamente, fazemos uma grande exceção à ideia de que isso é de alguma forma um direcionamento errado”, disse John Kirby, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, em entrevista à Fox News. Esta não é a primeira vez que Bezos critica a política econômica de Joe Biden.

Os preços do gás nos EUA atingiram níveis recordes neste ano. Segundo a CNN, o preço médio nacional de um galão de gás era de US$ 4,81 neste domingo, cerca de US$ 1,70 mais caro do que há um ano.

Publicidade