Os efeitos da guerra na América Latina

*Por Clarisa Demattei – Licenciatura em Ciências Políticas (UCA). Pesquisadora do Centro de Estudos Internacionais (CEI-UCA)

Para muitos, é uma consequência inesperada dos efeitos da guerra. Para outros, um fenômeno natural de interdependência na era da globalização: um conflito armado que ocorre a mais de 13 mil quilômetros de distância e ainda tem a capacidade de gerar efeitos imprevisíveis em nossa região, entre os quais não apenas abordagens e negociações entre adversários ideológicos, mas também mudanças na provisão de recursos e até um forte impacto nas eleições locais.

Publicidade

Na América Latina, as consequências da guerra na Ucrânia não tardaram a chegar. Embora todos os olhos estejam voltados para as causas geopolíticas da invasão russa e da crise humanitária que já fez mais de 3 milhões de ucranianos fugirem de seu país, nossa região também está testemunhando os efeitos do mais importante conflito armado em território europeu desde a Segunda Guerra Mundial.

Em primeiro lugar, a consequência mais inesperada, mas também mais marcante, foi a reaproximação entre os governos dos Estados Unidos e da Venezuela. Os tempos em que o governo dos EUA desconhecia a legitimidade da presidência de Nicolás Maduro parecem ter ficado para trás.

Nas últimas semanas, diante da necessidade de garantir o fornecimento de energia à União Europeia e aos Estados Unidos depois que estes proibiram as importações de petróleo e gás russos, o governo de Joe Biden retomou um diálogo com a Venezuela que havia sido interrompido após o fim da relações diplomáticas em 2019. No entanto, do governo bolivariano eles foram muito claros: a única maneira de a Venezuela retomar o comércio de petróleo com os Estados Unidos será se o governo Biden suspender as sanções impostas ao país latino-americano e reconhecer Nicolás Maduro como presidente legítimo. E embora seja possível que isso nunca aconteça e que a Venezuela também mantenha sua posição próxima ao Kremlin, essa reaproximação entre dois inimigos ideológicos de décadas atrás se torna relevante em um contexto em que o preço do gás e do petróleo subiu consideravelmente após a invasão da Ucrânia.

“Nas últimas semanas, o governo de Joe Biden retomou um diálogo com a Venezuela que havia sido interrompido após o fim da relações diplomáticas em 2019.”

Publicidade

Ao mesmo tempo, essa novidade acrescenta uma grande questão: caso Washington e Caracas cheguem a um acordo, a PDVSA conseguirá obter o suprimento de que os Estados Unidos e a União Europeia precisam após a má gestão na empresa reduzir o recorde de baixa venezuelana na produção de óleo?

Mesmo esse novo cenário teve forte impacto não apenas nas relações diplomáticas, mas também na política interna da região. No caso venezuelano, a reaproximação entre Maduro e Biden desalojou uma oposição bolivariana desorganizada que sempre foi apoiada pelo país norte-americano e que hoje vê se desvanecerem as vagas esperanças que ainda restavam de que Juan Guaidó pudesse ser reconhecido como o presidente legítimo da Venezuela.

Mas, além disso, as negociações entre os Estados Unidos e a Venezuela também afetam a realidade interna da Colômbia. Como se sabe, o governo de Iván Duque manteve-se muito próximo dos Estados Unidos a ponto de permitir que Trump desloque tropas norte-americanas para a fronteira entre Cúcuta e Táchira em 2019 para forçar Nicolás Maduro a deixar o poder. Hoje, Duque, um presidente que está chegando ao fim de seu mandato muito desgastado, vê seu principal aliado negociando com seu inimigo e vê seu objetivo de impor um cerco diplomático a Maduro desaparecer.

Publicidade

Na mesma linha, o candidato de esquerda Gustavo Petro teve que adaptar seu discurso de campanha para não explicar essa nova reconfiguração das alianças de poder na região. Caso Petro chegue à presidência colombiana em maio, resta saber como serão as novas relações com os Estados Unidos, país que o auxilia nas questões de segurança em um contexto problemático diante do crescente rumor de um retorno ao atividade guerrilheira nas FARC e seus dissidentes.

Mas, além disso, a invasão russa da Ucrânia afeta toda a região em termos produtivos. O aumento internacional de certas matérias-primas pode resultar num aumento da recessão e da inflação, numa altura em que o mundo parece caminhar para o fim de uma pandemia que provocou uma forte estagnação em muitas economias a nível global. E para a região pode ser um problema ainda mais substancial do que em outras nações do mundo, porque os cenários internacionais preveem que a América Latina terá o crescimento mais lento do mundo. Desta forma, não só o nosso continente poderá assistir a um aumento da pobreza e da desigualdade, mas também a um possível processo de descontentamento social, numa altura em que os níveis de desacordo com a democracia são particularmente preocupantes, de acordo com o último relatório da Human Rights Watch. . E isso pode ser especialmente um desafio para aqueles países com governos cujos presidentes tomaram posse há relativamente pouco tempo, como Castillo no Peru ou Boric no Chile, ou aqueles regimes que terão eleições presidenciais como no Brasil ou na Colômbia.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

Publicidade

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.