Fale conosco

O que vc está procurando?

Mundo

Entenda o possível desastre nas eleições do Peru

Se as pesquisas forem confirmadas, os peruanos elegerão em junho, no segundo turno das eleições presidenciais, Pedro Castillo, um professor que se define como marxista-leninista, com um discurso confusamente maoísta e apoiado por nomes do braço político do Sendero Luminoso. Apesar do crescimento econômico, o país como um todo não está progredindo, a maioria se sente distante de empresários e antigos líderes políticos e pode apoiar um desastre como o que ocorreria se Castillo ganhar

O possível desastre nas eleições do Peru
Candidato a Presidência do Peru Pedro Castillo (Crédito: Getty Images)

Nas eleições presidenciais do Peru, Pedro Castillo obteve 19% dos votos, indo ao segundo turno com Keiko Fujimori, que obteve 13%, o que pode indicar um desastre. Pode ser o novo presidente do Peru. Seu triunfo surpreendeu o país: ele nem aparecia nas pesquisas.

Os porta-vozes de seu partido, Perú Posible (“Peru Possível”), afirmam ser marxistas-leninistas-mariateguistas, seu discurso é confusamente maoísta e tem o apoio de alguns caciques do Movadef, o braço político do Sendero Luminoso. Karl Marx foi um intelectual sofisticado, filho do Iluminismo, e ele deve estar se revirando no túmulo com tanto primitivo que o invoca. Resta Maduro aparecer com seu passarinho de plástico para assessorar a campanha.

Castillo é professor do ensino fundamental, foi votar em Tacabamba, uma cidade do norte do Peru, a cavalo, com um chapéu de palha e um lápis que ele e seus seguidores exibem como símbolo de educação. É sintomático que enquanto os candidatos no mundo inteiro entregam computadores, ele prometa voltar aos lápis. Seu lema é “Nunca mais um homem pobre em um país rico!”.

Em 1993, Fujimori promulgou uma constituição que garantiu o funcionamento do setor privado e permitiu o crescimento da economia. Castillo quer revogá-lo, substituí-lo por uma estatista, nacionalizar os setores de mineração e de petróleo, reformular os tratados internacionais para que o Peru não continue “submisso” aos Estados Unidos. Certamente buscará formar um bloco com a União Soviética e os países socialistas que desapareceram há trinta anos. Ele vai acabar dançando valsa com Maduro e algum outro sem noção do mesmo nível intelectual.

Castillo representa a rejeição da política tradicional e do “establishment”, em um país no qual um em cada 200 peruanos morreu de covid, e a educação à distância tem sido uma tortura devido à falta de conectividade.

Os dois finalistas, Castillo e Keiko Fujimori, são arcaicos do ponto de vista da política contemporânea: são contra o aborto em todas as circunstâncias, o casamento igualitário, os direitos das mulheres, querem resolver a insegurança com a repressão.

O primeiro turno

No primeiro turno, tivemos contato com vários candidatos. Nenhum era como Castillo. O Peru de Cesar Vallejo, Mario Vargas Llosa, Bryce Echenique, teve candidatos interessantes de todas as cores políticas, como Hernando de Soto, Veronika Mendoza ou Georg Forsyth, para mencionar vertentes diversas.

O atraso técnico de quase todos eles chamou nossa atenção. Eles não tinham equipes profissionais de qualidade para apoiá-los, nem mesmo usavam as pesquisas de forma sistemática, como fazem todos os líderes modernos.

Alguns diziam que as pesquisas não conseguem prever resultados, sem saber que essa não é a sua função. Quando milhões de pessoas morrem em hospitais, eles irão deduzir que os remédios são inúteis e receberão tratamentos mágicos com bruxos que cospem álcool em seus rostos. Imprudente em tempos de covid.

A política deles era a tradicional, centrada nos ataques mútuos, em provar que o outro é pior, com pouca ou nenhuma preocupação com os problemas do cidadão comum. Em todos os nossos países, as pessoas estão furiosas porque estão sofrendo uma das crises de saúde, econômicas e psicológicas mais dramáticas da história, enquanto muitos líderes tentam manipulá-la para fazer política, para impor posições.

O solipsismo de muitos políticos vai levar o continente a um surto que se expressa nas eleições peruanas.

Mais tarde nas eleições, parecia que Yhony Lucano da Ação Popular, o renomado sociólogo Hernando de Soto e a candidata Veronika Mendoza, que teve um voto importante há quatro anos atrás, cresceram. Eles apareciam em um empate técnico que podia colocá-los no segundo turno com Keiko. Poucos pensaram que os vencedores que se classificariam seriam Pedro Castillo e Keiko Fujimori. Os votos combinados dos dois finalistas mal chegam a 30%.

As pesquisas do segundo turno dão a Castillo uma vantagem de cerca de dez pontos e refletem uma polarização: cerca de 80% dos que votam em um dos candidatos não pretendem mudar de posição.

A campanha deve ser dirigida àqueles que votaram nos outros candidatos, ao povo, e não aos líderes. O voto de Castillo encarna o anti-establishment, e quanto mais políticos apoiarem Keiko, menos votos ela terá. Ela pode repetir de forma inversa o que aconteceu com seu pai em 1990, quando o apoio explícito da maioria dos líderes peruanos contribuiu para a derrota de Mario Vargas Llosa.

O mesmo acontece com os elementos que têm a ver com a comunicação da campanha. No Peru, muitos políticos usam e abusam da bandeira e dos outros símbolos e solenidades. Eles gostam de ser estátuas mais do que candidatos. Algum político importante me dizia que “é assim que somos os peruanos, diferentes dos eleitores de outros países”. A verdade é que são seres humanos semelhantes a outros que nunca tomaram o Capitólio e obedeciam a líderes verticais como Perón, Velasco Ibarra, Haya de la Torre ou Belaúnde. Mudaram.

A sociedade se tornou horizontal, as crianças tratam seus pais como colegas de escola, os alunos acreditam que podem rebater seus professores porque consultam o Google, os eleitores querem votar em pessoas que parecem simples.

53% dos que votaram em Castillo dizem que o fizeram porque ele se identifica com as pessoas humildes e porque é diferente dos políticos de sempre. Apenas 4% votaram nele por ser de esquerda. Seus atributos pessoais são ser uma pessoa simples (16%), ser professor (10%), suas propostas (5%).

“Há muito o que pensar sobre como é construída a imagem dos candidatos”

Keiko tem uma imagem menos definida, apesar de já estar na política há muitos anos. Dos que votaram nela no primeiro turno, 30% afirmam que o que ele tem de melhor é o legado do pai, apenas 4% que a escolheram por ela ser mulher. Os atributos associados a ela são difusos: apenas 8% apreciam sua experiência, 4% suas propostas, 3% que é filha de Alberto.

Como se explica que um candidato que acabou de aparecer tem uma imagem mais profunda do que uma líder que está na briga há tantos anos? Há muito o que pensar sobre como se constrói a imagem dos candidatos, do quão efêmera ela é na era da Internet. É um dos temas que analisamos nos livros que publicamos com Santiago Nieto, especialmente em “El arte de ganhar y la política del siglo XXI” (“A arte de vencer e a política do século XXI”).

Discutiu-se muito durante a pandemia e a propósito das eleições nos Estados Unidos. Retomamos a controvérsia em nosso próximo livro sobre a política na terceira revolução industrial. Além do fato de que no Peru há uma baixa instalação de rede, ocorre algo semelhante daquilo que Sartori detectou anos atrás quando disse que nos tornamos “homo videns” devido à introdução da televisão. Situamo-nos numa cultura da imagem que mudou as relações das pessoas as umas com as outras e com os objetos. Hoje nos tornamos “homo cyber”, tudo deve ser entendido dentro dos novos valores da Rede.

Pepe Mujica disse recentemente que não entende por que os argentinos odeiam tanto, uma característica típica de nossa política. A mesma coisa acontece no Peru e em ambos os casos a raiz é a mesma. São países que viveram as experiências guerrilheiras mais sangrentas no final da Guerra Fria. No Peru foram mais de sessenta mil mortos, os últimos líderes daquela história, Alberto Fujimori e Abimael Guzmán, ainda estão presos apesar da idade. Tudo isso causa uma herança trágica e difícil de superar. Há povos que conseguiram superar suas memórias horríveis, como o Vietnã, mas eles têm uma tradição cultural de outro tipo.

Há também um fator que ajudou a preparar essa implosão. A economia peruana avançou muito. Muitos empresários se atualizaram com as técnicas mais avançadas. Seu erro foi não perceber que a política pode destruir qualquer experiência positiva. Eles viveram por anos em um país esquizofrênico onde a economia ia muito bem e a política era um desastre. Eles não perceberam que era preciso fazer um investimento na melhoria das lideranças e fazer com que o conjunto do país funcionasse.

A terceira revolução industrial ocorre com a estreita colaboração de cientistas, universidades, empresários e líderes de todos os tipos. Se o conjunto do país não avançar, em algum momento a maioria sentirá que tanto os empresários quanto os antigos dirigentes políticos estão distantes, que não atendem às suas demandas, e podem apoiar um desastre como o que ocorreria se Castillo ganhasse.

Salvem a Keiko

Muitos políticos e empresários peruanos, impressionados com nossa contribuição para a vitória de Guillermo Lasso no Equador, nos contataram para que pudéssemos ajudar a Keiko. Nunca tivemos ofertas tão generosas para colaborar com um candidato. Não somos movidos por objetivos econômicos. Não somos irresponsáveis.

Napolitan, nosso mestre, disse que você não deve aceitar a proposta de ajudar um candidato se não tiver pelo menos um ano para pesquisar, elaborar a estratégia, formar uma equipe com o candidato ou se integrar à sua equipe e ajudar a aperfeiçoá-lo.

No caso equatoriano, conhecíamos o Guillermo há décadas, sabíamos quais eram as suas virtudes e confiávamos nele. Temos feito pesquisas e levantamentos qualitativos no país por mais de 40 anos, podíamos improvisar com sucesso uma estratégia para o segundo turno. Talvez pudéssemos fazer algo semelhante na Argentina e no México, países que estudamos sistematicamente por mais de uma década.

Improvisar um assessoramento no Peru seria difícil. Não temos a base de pesquisas necessária e para derrotar Castillo é necessário um candidato capaz de compreender abordagens que fogem ao paradigma da política tradicional. Romper um paradigma é muito difícil.

Por Jaime Duran Barba – Professor da GWU. Membro do Club Político Argentino

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina

Mais em Perfil

Últimas Notícias