deputada estadual

Marina Helou e o machismo nosso de cada dia

Marina tem 35 anos  e é mãe do Martin e da Lara e candidata à reeleição no cargo de Deputada Estadual por São Paulo. Nesta entrevista exclusiva, ela lembra dos desafios para aprovar projetos e e se fortalecer no cenário político.

Desde cedo, Marina Helou, Deputada Estadual de São Paulo, pela Rede, se interessava por questões sociais. Mas, entrar na política parecia algo muito distante. “Me faltavam referências para ser política, pois não tinha ninguém da família nesta área”, explica. “Sempre gostei deste lugar de construção comum, que é a política.” Enquanto não entrava no universo político, apostava na carreira de executiva.

Publicidade

Mas, o desejo de fazer algo pela sociedade falou mais alto.  “Quando falava que queria atuar na política, ouvia ‘você está louca’. Comecei tentando como vereadora e, por muito pouco, não fui eleita. Mas, não desisti”, conta Marina. O passo seguinte foi a Assembleia Legislativa. E, desta vez, deu certo.

Hoje, Marina tem 5 leis aprovadas e sancionadas e fala com orgulho de cada conquista. Uma delas é a política estadual pela primeira infância. “Pela primeira vez, obriga o Estado para pensar em políticas públicas e dinheiro para essa fase da vida”, diz, emocionada.

Segundo Marina, a primeira infância é o investimento mais inteligente que o Estado pode fazer.

“Se a gente investe para que as crianças tenham oportunidade, a gente quebra o ciclo da pobreza. a gente quebra a desigualdade social é a melhor forma de investir na sociedade e não ou eu que estou falando. é o James Heckman, prêmio Nobel de Economia.”

Publicidade

Mas, para cuidar das crianças é preciso cuidar de quem cuida delas: as mães. E isso preocupa Marina: “a gente abriu bar antes e abrir cresces e escolas. a pandemia fez a sociedade regredir muito em relação aos avanços e conquistas femininas”, analisa.

Publicidade