Crime Eleitoral?

Ministro da Justiça pede que PF abra inquérito contra institutos de pesquisa

Algumas pesquisas eleitorais divergiram muito do resultado das eleições.

Ministro da Justiça pede que PF abra inquérito contra institutos de pesquisa
Ministro da Justiça, Anderson Torres (Crédito: Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil)

Anderson Torres, ministro da Justiça, encaminhou um pedido de abertura de inquérito à Polícia Federal sobre o modo de atuação dos institutos de pesquisa eleitoral.

Publicidade

O ministro, por meio de suas redes sociais, afirmou que o Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) recebeu uma representação que sugere “‘condutas, que, em tese, caracterizam a prática de crimes perpetrados’ por alguns institutos de pesquisa”.

Publicidade
 O presidente Jair Bolsonaro (PL), durante sua campanha no primeiro turno, questionou o resultado de algumas pesquisas que indicavam o candidato Luiz Inácio Lula da Silva (PT) como líder com grande margem.
 
Na última projeção do Ipec, por exemplo, Bolsonaro aparecia com 37% das intenções de voto. Na última pesquisa Datafolha, o chefe do Executivo também aparecia atrás, com 36%. Porém, nas urnas, o candidato do PL recebeu 43,2% dos votos.
Segundo alguns especialistas ouvidos pela CNN, uma das coisas que podem explicar a divergência das pesquisas dos institutos com o resultado da apuração dos votos neste domingo (2) é o conceito de “voto útil”, pois o eleitor vota de forma estratégica em alguém que não é necessariamente a sua primeira opção. Outro ponto levantado por especialistas é a defasagem dos dados do Censo, que não era feito pelo IBGE desde 2010.