população LGBTQIA+

IBGE diz que não é possível incluir questões sobre orientação sexual no Censo 2022

Instituto afirma que única alternativa para incluir questões, a dois meses do início da coleta, seria adiar a pesquisa novamente.

ibge-diz-que-nao-e-possivel-incluir-questoes-sobre-orientacao-sexual-no-censo-2022
Recenseadores do IBGE (Crédito: Tânia Rêgo/Agência Brasil)

O Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE) irá recorrer da decisão da Justiça Federal do Acre que determinou a inclusão de questões sobre orientação sexual no Censo de 2022.

Publicidade

O instituto alega que a única alternativa possível para incluir as perguntas é um novo adiamento do Censo — que deveria ter acontecido em 2020. O questionário tem data prevista de início em 1º de agosto. O IBGE diz que, caso contrário, uma inclusão repentina significaria levar a campo um questionário “não estudado, não testado e com equipe não devidamente treinada”.

Em comunicado, o IBGE ”informa que, a menos de dois meses do início da operação do Censo Demográfico 2022, não é possível incluir no questionário pergunta sobre ‘orientação sexual/identidade de gênero’ com técnica e metodologia responsáveis e adequadas — muito menos com os cuidados e o respeito que o tema e a sociedade merecem”. 

O IBGE acrescenta que a mudança causaria “impacto financeiro severo” ao orçamento destinado à pesquisa, que hoje é de R$ 2,3 bilhões. Afirma ainda que uma mudança metodológica pode elevar o tempo de coleta, aumentar o gasto com mensalistas e aluguéis, e diminuir a produtividade do recenseador.

“Inserir tais quesitos em um Censo Demográfico, em cima da hora, sem prévios estudos, testes e treinamentos, seria ignorar a complexidade e o rigor de uma operação censitária do porte continental da brasileira — cuja discussão e elaboração dos questionários e sucessivos planejamentos e preparações se iniciaram em 2016”, diz o texto.

Publicidade

O IBGE diz que os testes de homologação dos sistemas foi realizado no ano passado e que a avaliação dos técnicos responsáveis é que alterar esses sistemas agora põe em “risco considerável” toda a operação censitária. “Seria irresponsabilidade arriscar a integridade do Censo Demográfico enquanto principal pesquisa do país, ainda que por iniciativa inspirada em legítimas causas e boas intenções”, afirmou.

Publicidade