Polícia pede prisão preventiva do empresário Saul Klein por crimes sexuais

O empresário Saul Klein possui 68 anos e é filho de Samuel Klein, fundador das Casas Bahia, que morreu em 2014.

policia-pede-prisao-preventiva-do-empresario-saul-klein-por-crimes-sexuais
Saul Klein (Créditos: Reprodução/Prefeitura de Araraquara)

A Polícia Civil indiciou e solicitou a prisão preventiva do empresário Saul Klein por crimes sexuais contra 14 mulheres. Outras nove pessoas suspeitas de envolvimento nos casos foram indiciadas nesta quinta-feira (28).

Publicidade

Klein foi indiciado pelos crimes de organização criminosa, redução à condição análoga à escravidão, estupro, estupro de vulnerável, tráfico de pessoas, casa de prostituição, favorecimento à prostituição ou qualquer tipo de exploração sexual de criança, ou de adolescente, ou de vulnerável. Segundo o portal G1, o caso segue para análise do Ministério Público (MP).

O empresário Saul Klein possui 68 anos e é filho de Samuel Klein, fundador das Casas Bahia, que morreu em 2014. A atual proprietária da empresa, a Via Varejo, informou que Saul nunca possuiu nenhum vínculo ou relacionamento com a companhia.

Em 2009, Saul vendeu sua parte societária nas Casas Bahia e em 2010, a Via Varejo assumiu a gestão da rede de lojas varejistas. Priscila Camargo, delegada titular da Delegacia de Defesa da Mulher de Barueri, na Grande São Paulo, afirmou que ainda há outras pessoas a serem indiciadas e que o inquérito tramita há mais de 15 meses.

A investigação na Polícia Civil iniciou em 2020, a pedido do Ministério Público, após o recebimento de denúncias de tráfico de pessoas, estupro e favorecimento à prostituição. O advogado de defesa do empresário, André Boiani e Azevedo disse que “indiciamento é um ato discricionário da autoridade policial que não vincula os demais atores processuais”. “Saul e sua defesa técnica respeitam o posicionamento da Polícia Civil, mas entendem que a análise atenta e isenta dos elementos do inquérito levará o Ministério Público e o Judiciário a concluírem por sua inocência”, completou.

Publicidade

Publicidade