Será o fim das universidades?

*Por Diego Pasjalidis – Engenheiro especializado em estratégias, inovação e transformação digital

O fim das universidades
A diferença entre uma ameaça e uma oportunidade está na capacidade de reação e inovação de cada modelo e setor (Crédito: Canva Fotos)

No novo mundo digital, mais cedo ou mais tarde, aparecerá um concorrente ou uma tecnologia que desbanca, substitui ou elimina um modelo de estudo ultrapassado, seria esse o fim das universidades?

Publicidade

E se o custo do aprendizado for reduzido a zero? E se o credenciamento for o novo campo de batalha? E se os governos financiarem estudantes individuais em vez de instituições? E se a pesquisa comercializada financia as operações universitárias? Essas são algumas das questões levantadas no relatório desenvolvido pela EY intitulado “O Pico do Ensino Superior” em que alerta para o fim das universidades como existem atualmente, que seriam substituídas pela pesquisa corporativa e serviços vocacionais.

Certamente, a nova dinâmica do mundo digital que engloba não só os negócios, mas também a forma como as pessoas treinam, decidem, trabalham e se relacionam, tornou mais difícil para as empresas encontrarem talentos do que clientes. Embora existam, infelizmente, muitas pessoas à procura de emprego, a verdade é que existe uma grande lacuna entre o que o mercado exige hoje, a formação e as competências profissionais do futuro, e o que muitos profissionais conseguiram desenvolver adequadamente nas suas Educação formal. E tudo parece indicar que essa lacuna vai crescer na medida em que o ensino superior não se adapte, se transforme ou se reestruture com novos modelos e ofertas.

Fatores

Tamar e Oz Almog, ambos com vasta trajetória acadêmica e de pesquisa sobre o tema, publicaram recentemente o livro “Academia: todas as mentiras”, no qual expõem com veemência sua visão sobre quais seriam os fatores que afetaram o atual modelo de educação. A pontuação considera: a inflação das publicações científicas, que se traduz em um declínio alarmante na qualidade, relevância e confiabilidade da ciência; o antiquado controle de qualidade da pesquisa empírica; a transformação de universitários em funcionários submissos e exaustos em uma linha de produção obsoleta; o escandaloso desperdício de orçamentos e recursos; a obsessão por rankings que arrasta governos e instituições para um turbilhão de autoengano; o monopólio cínico e a ganância descarada das corporações editoriais científicas; a falta de profissionalismo na gestão das instituições; a exploração e engano de professores adjuntos e estudantes de pesquisa; a atração minguante de uma carreira acadêmica; a transformação das humanidades em um monte de conversa politicamente correta; a desvalorização do grau académico; a obstinada adesão a métodos de ensino ultrapassados ​​e a perda da revolução da internet; a desconexão entre os planos de estudo e as necessidades da sociedade e do mercado de trabalho; e as táticas de marketing e branding usadas para atrair jovens a se matricularem em instituições e cursos ultrapassados. Que maneira de chamar a atenção.

Competência

Globalmente, as universidades tradicionais estão sendo atingidas por várias tendências disruptivas, incluindo o aumento da concorrência por financiamento e estudantes, bem como novos players, que são mais ágeis e mais responsivos ao ambiente externo. Por exemplo, estão surgindo modelos de organizações privadas que fornecem microcréditos para habilidades relevantes para o trabalho. Outros casos incluem empresas globais como o Google com seus “programas de carreira certificados” e o Facebook em parceria com universidades para fornecer certificados de marketing.

Publicidade

Essas empresas podem criar programas atualizados mais rapidamente e a um custo menor do que as universidades. Nesse contexto, as universidades perderiam gradativamente o protagonismo da formação profissional, tendendo a permanecer como mais uma categoria dentro de inúmeros provedores de serviços de conhecimento que são acessados ​​por meio de diversas plataformas digitais, o que reduz custos, distribuição marginal de conteúdo a quase zero e, ao mesmo tempo, permitem uma escala, diversidade, atualização e alcance quase infinitos.

Loren Falkenberg (Decano Associado Sênior da Universidade de Calgary) e M. Elizabeth Cannon (Presidente Emérita da Universidade de Calgary), que recentemente publicaram o livro Strategic University Management, observam: “Com base em nossas próprias experiências como planejadores estratégicos em universidades, temos descobriram que muitos professores titulares permanecem convencidos de que a estrutura universitária tradicional fornece o maior valor para a sociedade, e a maioria das universidades é limitada por sua extensa infraestrutura física e técnica. As universidades podem sobreviver em seu estado atual, mas perderão legitimidade e valor percebido se não se adaptarem. E outras organizações se moverão rapidamente para substituí-los.”

Segundo os pesquisadores, as instituições sobreviventes serão aquelas que tomaram decisões difíceis que incluirão o fechamento de programas e departamentos e a criação de novas abordagens para a entrega de programas, continuando a desenvolver o pensamento crítico e o julgamento nos alunos. Em termos de pesquisa, a universidade terá que equilibrar o apoio à pesquisa motivada pela curiosidade e à pesquisa que pode ser comercializada, incluindo pesquisas focadas em problemas sociais e ambientais prementes.

Publicidade

Quanto um diploma universitário realmente importa hoje?

Com base nas práticas atuais em todo o mundo, os graus e qualificações acadêmicas continuarão a ser levados em consideração e continuarão a ser uma consideração importante ao avaliar os candidatos como um todo (pelo menos no médio prazo), mas eles não mais atuarão como uma barreira para entrar em uma empresa. Em muitos casos, os recrutadores parecem ver os diplomas universitários como um endosso; Afinal, contratar uma pessoa que não trabalha sem títulos poderia dar-lhe uma dor de cabeça para explicar-se ao seu cliente, ao passo que, se não fizer uma graduação que parece ter sido brilhante para um papel, ninguém saberá. O título funciona hoje como um seguro para os recrutadores que decidem sobre um candidato em detrimento de outro de maneira tradicional. Atualmente, observa-se no mercado uma situação híbrida: profissionais com determinados diplomas universitários que foram transformados (requalificação) pelo desenvolvimento de outros conhecimentos e habilidades. Isso é algo que ocorre fortemente no mundo da programação, onde profissionais de outras áreas têm acesso a mais e melhores empregos em relação à sua carreira formal de origem.

Nesse contexto, as universidades poderiam perder gradativamente o monopólio do credenciamento de cursos e o acesso a parte dos recursos governamentais, enquanto as “credenciais sem diploma” se tornariam a principal alternativa para muitos profissionais. Empregadores e órgãos da indústria competiriam diretamente com o sistema tradicional de credenciamento, enquanto outros fariam parceria com universidades para desenvolver credenciais sob medida.

De acordo com o relatório da EY, “a pandemia mostrou que, embora as universidades estejam conosco há séculos, elas não estão imunes à reinvenção corporativa que está derrubando os gigantes da mídia, do automóvel e da energia. Em um mundo de ‘trabalhar de qualquer lugar’, as pessoas também querem ‘aprender de qualquer lugar’, e novas plataformas educacionais estão surgindo para atender a essa demanda.”

Publicidade

Propostas

As propostas são diversas. Alguns acreditam que serão necessárias muitas outras universidades públicas pequenas, boutique, focadas, de baixo custo e que operam em um modelo diferente. Outros são da opinião de que as universidades devem ser divididas em institutos de pesquisa, por um lado, e institutos de ensino, por outro. A verdade é que para manter a integridade e a competitividade, as universidades devem rever os programas para equilibrar as necessidades educacionais de curto e longo prazo, por exemplo, como é o caso da European University Association baseada no trabalho “Universidades sem muros: uma visão para 2030”, através do qual se pensa a readequação e reinvenção das universidades para enfrentar a década que atravessamos hoje.

As visões consideram: universidades públicas e privadas; plataformas de ensino online; novos modelos de educação financiados com microcréditos; empresas formando seus próprios perfis; programas mistos cocriados entre empresas e universidades; programas rígidos e desatualizados versus modelos orientados para o mercado ágeis e flexíveis; pesquisa versus ensino; oferta global de conteúdos que competem com modelos locais ou regionais. E em tudo isso ainda não consideramos o impacto do metaverso como um novo ator que se somará como uma experiência adicional ao que existe hoje na educação, agregando mais um canal para levar mais e melhor oferta educacional internacional a qualquer pessoa no mundo .

O conhecimento é especialmente vital no novo mundo digital, cada vez mais dinâmico, disruptivo e tendente à desmaterialização e desmonetização dos modelos. Portanto, saibamos que a diferença entre uma ameaça e uma oportunidade está na capacidade de reação e inovação que cada modelo e setor tem para enfrentar esses desafios. Não acho que seja o fim das universidades, mas o início de sua necessária reinvenção permanente.

Publicidade

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.