Bilionários russos têm iates confiscados em retaliação contra a guerra

Uma das apreensões foi feita em Marselha, na costa da França. O alvo era a lancha Amore Vero, de Igor Sechin, presidente-executivo da petrolífera russa Rosneft

Bilionários russos têm iates confiscados em retaliação contra a guerra
A Forbes chegou a noticiar que o iate do bilionário Alisher Usmanov, também teria sido confiscado em Hamburgo, norte da Alemanha (Crédito: Pixabay)

Bilionários russos tiveram iates de luxo confiscados como parte das sanções impostas à Rússia. Os oligarcas que vivem em países europeus começaram a sofrer as consequências da guerra iniciada pelo presidente Vladimir Putin.

Publicidade

Uma das apreensões foi feita em Marselha, na costa da França. O alvo era a lancha Amore Vero, de Igor Sechin, presidente-executivo da petrolífera russa Rosneft. O portal G1 informou que a embarcação passava por uma manutenção e se preparava para zarpar, quando a fiscalização chegou. 

A Forbes chegou a noticiar que o iate do bilionário Alisher Usmanov, também teria sido confiscado em Hamburgo, norte da Alemanha. Porém, o jornal britânico The Guardian diz que as autoridades alemãs não confirmam a informação. 

O iate Dilbar é considerado o maior do mundo e um dos mais caros. É avaliado em cerca de R$ 3 bilhões. Os dois bilionários fazem parte da lista de punidos por sanções da União Europeia. Eles são acusados de manterem relações próximas ao Kremlin ou ao próprio Putin. 

Publicidade

Pressão faz dono do Chelsea se desfazer de clube

Pressionado pela relação com Putin, o bilionário russo Roman Abramovich foi obrigado a vender o clube inglês Chelsea. Ele prometeu doar os lucros líquidos do negócio para ajudar as vítimas da guerra na Ucrânia. 

O empresário russo comprou o clube em 2003 por 140 milhões de libras. Desde então, ele investiu mais de 1,5 bilhão de libras em quase 20 anos, segundo o site Ge.

Outros russos ricos têm sofrido pressão para se manifestarem contra a guerra.

Publicidade

Entenda a invasão da Rússia à Ucrânia 

Depois de vários meses de tensão e negativas, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, ordenou a invasão da Ucrânia. O exército russo bombardeia e avança por terra em cidades  do sul, leste e norte do território ucraniano. 

Um dos fatores que desencadeou o conflito foi a possibilidade da Ucrânia entrar na OTAN, aliança militar do Ocidente. Putin não admite a possibilidade e exige que a Ucrânia se comprometa a nunca entrar na organização. 

O presidente russo também alega que a Ucrânia está sob influência estrangeira e que não merece ser um país independente. 

Publicidade