Em 15 meses pela primeira vez Japão não registra mortes por Covid-19

Casos e mortes caíram devido a aceleração da vacina no país

em-15-meses-pela-primeira-vez-japao-nao-registra-mortes-por-covid-19
Vacinação acelerada no Japão tem bons resultados (Crédito: Canva)

O Japão não registrou nenhuma morte de Covid-19 pela primeira vez em 15 meses no domingo (7). Os casos e as mortes caíram no país devido a aceleração da vacinação, onde 78% da população já tomou pelo menos uma dose da vacina e 73% já está totalmente imunizada. O presidente da Organização de Saúde e da Comunidade do Japão, Shigeru Omi, mesmo assim, esboçou uma nova escala para medir a gravidade das infecções e uma ferramenta para prever leitos hospitalares.

Publicidade

No período das Olimpíadas em Tóquio, o Japão chegou a registrar mais de 25 mil novos casos e com a proliferação da variante Delta. O recorde de mortes foi em 18 de maio com 216 óbitos em 24 horas. Desde o início da pandemia já são 1,7 milhão de casos e 18,3 mil vítimas. Para continuar os cuidados e se preparar para o inverno o governo deseja começar uma aplicação de vacinas de reforço e está trabalhando para garantir tratamento à base de pílulas para casos mais leves com intuito de reduzir hospitalizações.

Mas, enquanto alguns países se recuperam, outros voltam a ser epicentro. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a Europa, por exemplo, voltou a ser o epicentro da infecção do novo coronavírus no mundo. Em uma entrevista coletiva para jornalistas, o diretor-regional da OMS para Europa, Hans Kluge, disse que o continente pode ter mais de meio milhão de mortes até fevereiro.

As taxas de vacinação diminuíram em todo continente nos últimos meses. Em Portugal, 87,39% da população está totalmente imunizada (maior taxa de vacinação do mundo). Já na Espanha, 80% das pessoas estão totalmente imunizadas, enquanto na Alemanha estão 66% e, em alguns países do leste europeu é menor ainda. Em outubro de 2021, apenas 32% dos russos estavam vacinados. Kluge, culpa o relaxamento das medidas de saúde pública pelos aumentos dos casos na união europeia da OMS que abrange, 53 países.