Invasão russa e conflito com Ucrânia: uma farsa criminosa?

*Por Eduardo Sartelli – Diretor do Centro de Estudos e Pesquisas em Ciências Sociais (Ceics) e membro da Razão e Revolução

Invasão russa e conflito com Ucrânia uma farsa criminosa
Protesto em apoio à Ucrânia (Crédito: Invasão russa e conflito com Ucrânia uma farsa criminosa)

É lugar-comum hoje, no mundo “ocidental”, condenar a invasão russa e o conflito com a Ucrânia como um ataque desprezível a um país independente. Não porque seja um lugar comum, deixa de ser menos verdadeiro ou menos correto. No entanto, assim como esta condenação teve de ser feita sem hesitações ou eufemismos (nada como “Ah, mas a OTAN…”), as causas que levaram a este ponto e as possíveis soluções que continuam por discutir.

Publicidade

E há um ponto cego nesse lugar-comum, que se recusa a examinar a culpa da “vítima”, entre outras coisas, porque a propaganda ucraniana-OTAN conseguiu a manobra ideológica de vitimização. Qualquer análise séria do problema deve partir da rejeição dessa construção ideológica, assim como rejeitamos as justificativas de Vladimir Putin para suas atrocidades. Para começar, não há nazistas em nenhum dos lados, mas também não há anjos em nenhum dos lados.

Vitimização e ideologia

A vitimização absoluta da Ucrânia é uma ideologia. Como qualquer ideologia, parte verdade, parte mentira. Não poderia funcionar ideologicamente se não supunha uma verdade em segundo plano. Não poderia funcionar ideologicamente, se não envolvesse uma distorção intencional dessa verdade. A verdade é que a Ucrânia é hoje, agora, uma “vítima”. A distorção, por outro lado, supõe a reconstrução manipulada do processo que a levou àquela posição da qual ela agora é vítima.

Não é apenas uma série de inconsistências nessa história: a Crimeia sempre foi russa; nas províncias de Lugansk e Donetsk, a maioria russa está claramente estabelecida; o presidente anterior ao atual, Poroshenko, não só reivindicou figuras históricas de reputação duvidosa, como Stepan Bandera, um pró-fascista, mas também apoiou uma guerra clandestina com elementos neonazistas (como o Setor Direita ou o Batalhão Azov) contra os separatistas russos; o governo ucraniano nega o direito à separação ou um estatuto especial às províncias dissidentes, ao mesmo tempo que reivindica o seu separatismo da URSS; se declara não beligerante, mas pede para se juntar à OTAN.

Há, no fundo, um grande problema que simplesmente não pode cortar a história da Ucrânia no aqui e agora de sua condição de vítima. Por trás disso há um erro político grosseiro. Simplificando: você é o Uruguai, não seja bonito com a Argentina ou o Brasil.

Publicidade

“O cerne do problema da Ucrânia é uma batalha entre dois grupos de oligarcas, um com melhores relações com os russos e outros que têm com ocidentais.”

Irresponsabilidade

Admira-se a coragem dos irmãos Klichko ou de Zelensky, mas não se pode admitir que tenham confundido a exigência abstrata de um direito (“autodeterminação nacional”) com a realidade de uma fronteira compartilhada com a maior potência nuclear do planeta, o que exige exige que, razoável ou não, tenha uma força militar incomparável por trás deles.

Jogar Davi e Golias quando você tem outras opções é pura irresponsabilidade política. Além disso, acreditar que o aliado apelado vai responder com atos que equivalem a palavras grandiloquentes só agrava a questão, porque supor que a OTAN vai à guerra com a Rússia pela Ucrânia tem o mesmo nível de improvisação que a ilusão de Galtieri e a guerra das Malvinas.

Publicidade

Para piorar a situação, atualmente a escalada literária só aumenta a energia colocada nessa linha: os políticos da OTAN estão desesperados para se curvar à linha “popular” de defesa irada da “vítima”, muito lucrativa na opinião política. Enquanto isso os líderes ucranianos são encorajados pela validação internacional de sua atitude. Assim, uma descida do conflito torna-se difícil. Como a OTAN já deixou claro que não pretende intervir militarmente na Ucrânia, a inútil resistência ucraniana só torna as coisas mais difíceis para um rival disposto a tudo e com o que fazer. A consequência será o que já vemos: maior destruição e maior mortalidade entre as massas ucranianas.

Neutralidade e classe trabalhadora

Houve (e ainda há) uma linha de ação mais responsável para os ucranianos, que parte de uma avaliação mais séria da realidade: neutralidade, reconhecimento da soberania russa na Crimeia e discussão de um status especial, incluindo o direito ao separatismo, do Dombas. A primeira é a linha que os finlandeses seguem há quase um século; os dois últimos já são um fato. A exigência do direito de aderir à OTAN foi e é uma estupidez política; a reivindicação de uma integridade territorial que há muito não se tinha, é um fato político profundamente errôneo.

Deste ponto de vista, a Ucrânia tem sido, até agora, uma “vítima” desnecessária. Ela foi arrastada para uma guerra fatal, onde nada além de destruição a espera.

Publicidade

Resta, no entanto, especificar, acomodar esse ponto de vista para ver com mais detalhes o cerne do problema. Porque aqueles que querem aderir à OTAN e à UE não são necessariamente os trabalhadores ucranianos. A Ucrânia é um sistema político dominado pela corrupção, prática que tem sido a parteira da nova classe capitalista que tomou o poder com a queda da URSS, cujos componentes são muitas vezes chamados de “oligarcas”. O cerne do problema russo-ucraniano é uma batalha entre dois grupos de “oligarcas”, que têm um melhor relacionamento com seus “irmãos” de classe russa (os Yanukovyches, por exemplo, que construíram suas fortunas com base na privatização em Dombas) e outros, mais inclinados à União Europeia (os Yushchenkos, os Timoshenkos, cujas ligações com o mundo “ocidental” são mais fluidas).

Nem a adesão à UE nem a sua dependência da Federação Russa vão mudar muito a sua situação. A classe trabalhadora ucraniana é a convidada de pedra de um banquete apreciado (e destruído) por outros.

É agora, com base nesta última consideração, que podemos entender por que a neutralidade, a rejeição da guerra e o direito à autodeterminação são o único antídoto contra a escalada da guerra em curso. Além disso, nos permite entender por que, até que os trabalhadores entrem na cena política com seus próprios interesses organizados, essa perspectiva não tem muito futuro e todas as belas palavras, de um lado e de outro, não passam de discursos ideológicos que encobrem uma farsa ruim, uma farsa criminosa.

Publicidade

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.