Novo Presidente

Moraes toma posse no TSE, reforça discurso pró-democracia e é aplaudido de pé

Em um pronunciamento de aproximadamente 25 minutos, Alexandre de Moraes reafirmou seu discurso de eleições confiáveis e transparentes.

Moraes toma posse no TSE, reforça discurso pró-democracia e é aplaudido de pé
A cerimônia também gerou expectativa pelo encontro de Bolsonaro e Lula (Crédito: Reprodução/TSE)

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, tomou posse nesta terça-feira (16) como novo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Na mesma cerimônia, que teve início às 19h, o também ministro do STF, Ricardo Lewandowski, assumiu como vice-presidente.

Publicidade

A posse contou com a presença dos presidentes do STF, ministro Luiz Fux, do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD), da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP) e com o presidente da República Jair Bolsonaro (PL). O candidato do PT, Luiz Inácio Lula da Silva também assistiu a posse de Moraes ao lado dos ex-presidentes Michel Temer (MDB), Dilma Rousseff (PT) e José Sarney (MDB). Além das autoridades citadas, também participaram da sessão ministros, embaixadores e governadores.

Em um discurso de aproximadamente 25 minutos, Alexandre de Moraes começou reafirmando seu discurso pró-democracia:

“Somos uma das maiores democracias do mundo em termos de voto popular, estando entre as quatro maiores democracias do mundo. Somos a única democracia do mundo, a única, que apura e divulga os resultados eleitorais no mesmo dia, com agilidade, segurança, competência e transparência. Isso é motivo de orgulho nacional”, destacou Moraes e foi aplaudido de pé pela maioria dos presentes.

Moraes, o novo presidente do TSE, seguiu comentando, com base em sua experiência na comarca de Aguaí, sobre a “nefasta” fase do voto impresso no país:

Publicidade

“Aqueles que como eu atuaram, juízes, promotores ou fiscais, sabem bem do que eu estou falando. Do desvirtuamento das urnas, dos votos riscados, da caneta que se colocava no punho… A Justiça Eleitoral, com coragem, competência e transparência encerrou essa nefasta fase da democracia brasileira.”

Quase finalizando, Moraes repetiu seu discurso de liberdade de expressão, mas adicionou algumas novas ideias ao texto:

“Eu não canso de repetir, ainda mais neste importante momento, que a liberdade de expressão não é liberdade de agressão. Liberdade de expressão não é liberdade de destruição da democracia, de destruição das instituições, de destruição da dignidade e da honra alheias. Liberdade de expressão não é liberdade de propagação de discursos de ódio e preconceituosos. A liberdade de expressão não permite a propagação de discursos contrários ao Estado democrático de Direito. A plena liberdade do eleitor em escolher seu candidato ou candidata depende da tranquilidade e da confiança nas instituições democráticas e no próprio processo eleitoral.”

Publicidade

Publicidade