Adriano Pires desiste oficialmente de presidir a Petrobras

O nome de Pires foi indicado pelo governo na semana passada, no lugar do general Joaquim Silva e Luna

Adriano Pires desiste oficialmente de presidir a Petrobras
Logo da Petrobras (Crédito: Buda Mendes/Getty Images)

O economista Adriano Pires enviou nesta segunda-feira (4) ao ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, uma carta em que oficializa a desistência em assumir o comando da Petrobras.

Publicidade

Na carta, Pires agradece a indicação e reafirma o “compromisso de continuar nessa luta” pelo desenvolvimento do mercado de óleo e gás. O economista também disse que não poderia conciliar o cargo com as atividades de consultoria que já desempenha para empresas do setor.

O nome de Pires foi indicado pelo governo na semana passada, no lugar do general da reserva Joaquim Silva e Luna, atual presidente da estatal. A troca foi anunciada em meio à insatisfação do presidente Jair Bolsonaro (PL) com o preço dos combustíveis.

Entretanto, Adriano Pires ainda não tinha assumido o posto. O seu nome precisava ser aprovado pela assembleia geral de acionistas, marcada para o dia 13 de abril.

Antes mesmo da eleição, o economista desistiu do cargo. Nos últimos dias, reportagens já vinham apontando possível conflito de interesses, já que Pires presta consultoria há mais de 20 anos para empresas privadas do setor de energia.

Publicidade

O Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) pediu, na semana passada, uma investigação sobre o possível conflito de interesse antes da nomeação de Pires à presidência da Petrobras.

Publicidade