Violência Política

Fórum especial vai tratar de denúncias de violência política em SP

O que o Fórum Paulista vai fazer agora é buscar facilitar esse processo, criando um e-mail e um perfil no WhatsApp para concentrar essas denúncias em São Paulo e direcioná-las aos órgãos competentes para resolução.

forum-especial-vai-tratar-de-denuncias-de-violencia-politica-em-sp

A Procuradoria Regional Eleitoral e a Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão em São Paulo anunciaram hoje (19) a criação do Fórum Paulista contra a Violência Política. O objetivo é aumentar o combate à violência política ocorrida no estado de São Paulo e que é direcionada principalmente contra mulheres, negros, pessoas com deficiência, indígenas, quilombolas ou pessoas LGBTQIA+.

Publicidade

Por meio do fórum, as pessoas poderão relatar denúncias de violência política. Essas denúncias serão recebidas pelo Ministério Público e depois encaminhadas aos órgãos e setores competentes para que sejam respondidas.

A legislação brasileira já garante que qualquer cidadão denuncie esse tipo de crime. O que o Fórum Paulista vai fazer agora é buscar facilitar esse processo, criando um e-mail e um perfil no WhatsApp para concentrar essas denúncias em São Paulo e direcioná-las aos órgãos competentes para resolução.

“A gente decidiu criar esse fórum e chamar membros da sociedade civil para explicar a melhor forma de comunicar as violências políticas para o Ministério Público Eleitoral e para a Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão, que encaminharão essas notícias de ilícito para que estas não fiquem perdidas, recebam o encaminhamento adequado e possam ser apuradas pelas autoridades”, disse Paula Bajer, procuradora regional Eleitoral em São Paulo, em entrevista à Agência Brasil.

“A pessoa precisa ser respeitada para falar e para ser ouvida. E aqueles que faltarem com esse respeito promovendo discursos de ódio, discursos de falta de urbanidade ou de educação, desrespeitando a pessoa enquanto ser humano ou a dignidade dessa pessoa, ofendendo ou praticando uma infração penal, elas terão a resposta da lei”, falou. “O Ministério Público Eleitoral protege a atividade [política] e vai combater e prevenir todo tipo de violência na política: virtual, física, verbal, de qualquer tipo. Estamos nos preparando para que o sistema de justiça possa agir para proteger o cidadão que queira trabalhar para o bem comum”, falou ela.

Publicidade

Na primeira reunião do Fórum, realizada hoje (19) na sede da Procuradoria Regional da República da 3a Região, na capital paulista, participaram representantes de órgãos públicos e de movimentos sociais e de defesa dos direitos humanos.

Em fala a esses representantes, Luiz Carlos dos Santos Gonçalves, procurador regional eleitoral auxiliar da Procuradoria Regional Eleitoral de São Paulo, explicou sobre como ele vai funcionar. “Se uma mulher é expulsa de uma convenção partidária a pontapés, ela deve ir a uma delegacia da mulher? Ela deve reclamar na Procuradoria Regional Eleitoral? Ela deve ir na Procuradoria dos Direitos do Cidadão? O cidadão, principalmente o vitimado, não tem obrigação de saber onde ele tem que direcionar a sua notícia [crime]. E a gente sabe que esse direcionamento inicial as vezes é decisivo para que a gente consiga aplicar a lei. Foi por essa razão a ideia da criação desse Fórum Paulista contra a Violência Política. Ele não é uma organização, não tem estruturação, não tem um coordenador. A ideia é que essa pessoa vitimada de qualquer lugar do estado de São Paulo tenha a quem direcionar, num primeiro momento, a sua reclamação. Queremos caminhos para facilitar a resposta diante dessa violência”, disse ele.

Para Hannah Maruci, co-diretora da Tenda das Candidatas, organização que capacita lideranças para o jogo político eleitoral, o Fórum deve facilitar o encaminhamento dessas denúncias de violência política. “A gente [organização] recebe muitos casos e a nossa principal dificuldade é identificar qual que é o melhor caminho. A gente conhece os caminhos, mas para cada caso é difícil de fazer essa identificação”, disse ela à Agência Brasil. “Então acredito que o Fórum vai ser um espaço muito importante para isso, para delinear esses caminhos, para trazer visibilidade para essas violências, e também dar amparo para a gente”, falou ela.

Publicidade

“Em 2020 monitoramos dez mulheres e todas elas sofreram algum tipo de violência. E isso tem se repetido agora. Tem [a violência] mais sutil como o silenciamento ou o negligenciamento pelo partido político, por exemplo, até ameaças como ‘você está no meu território e aqui você não pode fazer campanha’, perseguições online, xingamentos, formas de fazer com que ela se intimide e tenha medo. Além de ameaças de morte”, disse Hannah.

“A violência política de gênero e de raça é uma forma de silenciamento. E ela é literal: quando uma candidata perde a voz, isso mostra o que significa essa violência, que é uma barreira que se coloca durante todas as etapas”, falou Hannah. “O que a gente vê hoje na política institucional é resultado de tudo isso. Temos hoje só 15% de mulheres no Congresso Nacional e isso ainda é considerado um avanço porque [essa participação feminina] cresceu 50% entre 2014 e 2018. Mulheres negras representam 28% da população e, entre as eleitas, não passam de 2%. Quando vemos menos mulheres lá, a gente reforça a ideia de que lá não é lugar delas. E aí a violência consegue se reproduzir com muito mais naturalidade”, disse ela.

Para informações sobre o Fórum Paulista e encaminhamento de denúncias ocorridas em São Paulo, o cidadão pode procurar o telefone/WhatsApp é (11) 97878-3327 ou o e-mail [email protected]. As denúncias precisam ser fundamentadas com provas.

Publicidade