RACISMO

Mensagens racistas e ameaças de estupro são coladas em banheiros da UERJ

Ataque foi feito uma semana após manifestações em defesa das cotas raciais ocorrerem na universidade.

FFP enfrentou recentemente outros casos de injúria racial dentro das salas de aula (Créditos: Reprodução/Redes Sociais)

Alunos da UERJ de São Gonçalo estão denunciando nas redes sociais mensagens racistas e misóginas coladas no banheiro da instituição na quarta-feira (10). As mensagens incentivam o estupro de mulheres pretas e pregam o fim das cotas raciais.

Publicidade

Os cartazes foram feitos com folhas de cadernos e colados no banheiro masculino do bloco A da Faculdade de Formação de Professores (FFP). Estudantes tiraram fotos das cenas e as divulgaram nas redes sociais.

As mensagens pregavam “Estrupo das pretas” e “fim das cotas“. Os alunos acreditam que o ato racista cometido foi uma resposta ao protesto ocorrido em defesa das cotas na UERJ na semana anterior com o slogan ‘cota não é esmola.’

Publicidade

A FFP se manifestou através de uma nota de repúdio em suas redes sociais em que condena as mensagens racistas, o chamando de intolerável, e alega que estará realizando um boletim de ocorrência sobre o caso para a reitoria da UERJ e procuradoria.

Confira um trecho da nota abaixo:

Em flagrante sinal de agressão e enfrentamento, um cartaz racista e criminoso foi afixado na unidade durante a reunião do Conselho Departamental. Intolerável!
O Conselho Departamental deliberou, a partir desses esclarecimentos e contexto, por uma moção de repúdio a qualquer ato discriminatório nas dependências da FFP.
A Direção e o Conselho Departamental se comprometeram em atuar para coibir e punir os responsáveis por qualquer atitude discriminatória na FFP, obedecendo aos trâmites legais.
Exaltamos o compromisso político e institucional das universidades públicas e, historicamente da UERJ, em defesa da diversidade humana.
Não há espaço para discriminação no Brasil!
Não há espaço para discriminação na Universidade Pública!
Não há espaço para a discriminação na FFP!

 

Publicidade

 

 

Publicidade