aumento dos combustíveis

Queremos CPI para investigar a Petrobras, diz Bolsonaro

”É inconcebível conceder reajustes com combustível lá em cima e os lucros exorbitantes da Petrobras”, disse o presidente.

queremos-cpi-para-investigar-a-petrobras-diz-bolsonaro
Jair Bolsonaro (Crédito: Najara Araújo/Câmara dos Deputados)

O presidente Jair Bolsonaro (PL) disse nesta sexta-feira (17) que irá propor, junto ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), a formação de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar o presidente, os diretores e os conselhos da Petrobras. A declaração ocorre em meio ao aumento do preço dos combustíveis.

Publicidade

“Conversei há poucos minutos com Lira. Ele está neste momento com líderes, e a nossa ideia é propor uma CPI para investigarmos o presidente, os diretores, os conselhos administrativo e fiscal. Queremos saber se tem algo errado nessa conduta deles. É inconcebível conceder reajustes com combustível lá em cima e os lucros exorbitantes da Petrobras”, disse o presidente em entrevista à rádio 96 FM, do Rio Grande do Norte.

Reajuste dos preços

A Petrobras anunciou um reajuste nos preços dos combustíveis nesta sexta-feira (17). Este novo aumento passará a ser válido a partir deste sábado (18). A gasolina terá variação de R$0,15 por litro, enquanto o diesel terá variação de R$0,63 por litro. Não havia reajuste no preço da gasolina há 99 dias e do diesel há 39 dias. 

A Estatal divulgou que o preço médio de venda da gasolina para as distribuidoras passou de R$3,86 para R$4,06 por litro. Para o consumidor, o preço mudou de R$2,81, em média, para R$2,96 a cada litro vendido na bomba dos postos de combustíveis. No caso do diesel, o aumento é maior. O preço médio de venda da Petrobras para as distribuidoras passou de R$4,91 para R$5,61 por litro. Já para os consumidores o preço que antes era R$4,42, agora é R$5,05 a cada litro vendido na bomba.

Publicidade

Em nota a Petrobras relatou que: “Com esse movimento, a Petrobras reitera seu compromisso com a prática de preços competitivos e em equilíbrio com o mercado, ao mesmo tempo em que evita o repasse imediato para os preços internos da volatilidade das cotações internacionais e da taxa de câmbio, ou seja, evita o repasse das variações temporárias que podem ser revertidas no curto prazo. Dessa maneira, observando a evolução do mercado, foi possível manter os preços de venda para as distribuidoras estáveis por 99 dias para a gasolina e 39 dias para o diesel”.

 

Publicidade