Administração de negócios

A inconcebível generalização do paternalismo no mundo corporativo

*Por José Renato.

A inconcebível generalização do paternalismo no mundo corporativo
(Crédito: Canva Fotos)

Após anos atuando como responsável pela área de Administração de Contratos em uma grande empresa brasileira, Araújo Lima foi informado que passaria a atuar no Board de Consultores. Assim era chamado o grupo de profissionais mais experientes que, após muito tempo de casa, passava a atuar na empresa como consultores, sob regime de contratação de pessoa jurídica. Ainda que pudesse parecer apenas uma forma de reduzir custos, por conta dos altos salários, a iniciativa desta organização tinha também como objetivo permitir que estes profissionais investissem parte de seu tempo na empresa, acompanhando os novos profissionais que passaram a atuar em suas antigas posições, uma espécie de mentoria, ainda que assim não fosse chamado.

Publicidade

Em seu lugar veio Pereira da Silva, profissional que gerenciara alguns projetos da empresa e que chegara com o objetivo de disseminar as práticas de administração contratual pelas outras áreas organizacionais. Um gordinho simpático de sorriso fácil, Pereira da Silva tinha uma fala mansa e sua chegada vinha chancelada por uma forte indicação do presidente da empresa, com quem trabalhara durante alguns anos. Empresa familiar, o paternalismo era algo muito presente e costumava ser um critério de seleção relevante nesta organização. A justificativa costumava estar embasada em uma questão importante, embora às vezes muito questionada, colocar pessoas da confiança em certos cargos. Coube ao tempo explicitar o equívoco que aquela decisão provocaria.

Dono de um conhecimento raso sobre boa parte dos assuntos nas quais atuava, Pereira da Silva podia ser considerado um especialista em ser generalista e demonstrava muitas dificuldades em seguir as orientações de Araújo Lima. Entre um sorriso e outro, pontuava aos mais próximos que não conseguia aprender e que, por conta disso, todo orgulhoso, comentava sobre a sua estratégia: levar duas colaboradoras da equipe de Araújo para acompanhá-lo em qualquer reunião. Confesso que passei a constatar a veracidade de tal fato que costumava ser evidenciado ao vê-lo roer unhas freneticamente, enquanto sua equipe se mostrava atenta durante as discussões. Não demorou para que sua liderança passasse a ser questionada pela equipe, em um claro sinal que o desafio que lhe fora pontuado, certamente, jamais seria alcançado.

Informado da situação, seu diretor, Reinaldo, não se fez de rogado e, diante da convicção de que precisaria substituir imediatamente o indicado de seu presidente, tomou a sua melhor decisão. Logo pela manhã do dia seguinte, chamou-o até sua sala e, de supetão, junto aos demais membros da equipe, o convidou para ser tornar diretor de uma nova área de negócio a ser desenvolvida na empresa. A surpresa foi geral, embora contida, e, enquanto roía o pouco que ainda lhe sobrava de unha, acenou com a cabeça que aceitaria este novo desafio. De imediato, foi feita, ali mesmo, em viva voz, uma ligação ao presidente da organização para lhe dar a boa nova. Foi dele que veio a frase que explicaria tudo: “… esta foi a melhor decisão que poderia ter sido tomada, Pereira da Silva é a pessoa mais indicada para este cargo neste novo negócio…”

Em tempo: este novo negócio causou um tamanho prejuízo na empresa e acabou por contribuir para a demissão de Reinaldo da organização onde atuara por décadas, sem que sequer a oportunidade de fazer parte do Board de Consultores lhe fosse dada. Neste tempo, Pereira da Silva já estava em um outro novo desafio profissional chancelado por seu padrinho de sempre.

Publicidade

*Consultor em Gestão de Projetos, Pessoas e Inovação.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

Publicidade