Naomi Osaka está de volta, pronta ou não

Depois de um ano tumultuado e uma dispensa de quatro meses durante os quais ela questionou o que queria do tênis, Osaka está de volta às quadras. “Não tenho certeza se isso vai dar certo”

Pronta ou não, Naomi Osaka está de volta
Naomi Osaka

Quando as horas finais de 2021 passavam, em 31 de dezembro, Naomi Osaka escreveu no Twitter algo que deixou a dúvida de quando ela pode estar de volta: “Nunca estive tão animada por um ano acabar”.

Publicidade

Osaka, que não jogava uma partida competitiva de tênis desde a derrota na terceira rodada do Aberto dos EUA para a 73ª melhor jogadora do mundo, estava dando um salto no início de 2022 em Melbourne, na Austrália, após sua segunda longa pausa no jogo em sete meses. E quem poderia culpá-la.

Nos 10 meses desde que ela conquistou seu quarto título de Grand Slam, na Austrália, seu destino passou do estrelato para algo muito mais preocupante.

Quando o inverno passado terminou, Osaka era a figura dominante em seu esporte e a atleta feminina mais bem paga do mundo com apenas 23 anos, além de uma voz respeitada em questões de justiça social. E então ela se tornou algo completamente diferente.

Publicidade

“Houve um momento após o Aberto da França em que senti que todos estavam me julgando”, disse ela após sua vitória na primeira rodada no Aberto da Austrália na segunda-feira (17). “É um pouco estranho quando você entra em um estádio para jogar e fica meio preocupado com o que o olhar de todos significa.”

Seu jogo começou a desmoronar no início da primavera, especialmente quando a competição mudou para o saibro, onde ela nunca se sentiu confortável. Um confronto com os dirigentes do Aberto da França sobre sua recusa em comparecer às coletivas de imprensa obrigatórias pós-jogo levou à sua retirada do torneio. Ela veio a público com sua batalha de anos contra a depressão, tirou dois meses de folga e depois voltou nas Olimpíadas de Tóquio, onde acendeu a tocha, mas perdeu na terceira rodada em meio a uma pressão implacável para se destacar.

Então veio a virada no Aberto dos Estados Unidos, onde ela era a favorita para defender com sucesso seu título, mas saiu com uma admissão chorosa de que jogar tênis não a fazia mais feliz, se é que alguma vez o fez. De repente, aquele momento de triunfo no US Open de 2020 parecia ameaçador: depois de vencer em três sets, ela mal sorriu e, em vez disso, ficou no centro da quadra, olhando para o céu escuro.

Publicidade

“Foi como um acúmulo extremo, e você acabou de ver tudo lançado no ano passado”, disse uma Osaka enferrujada este mês, após sua primeira partida em Melbourne, uma vitória confusa de três sets sobre Alizé Cornet.

Osaka ficou mais afiada e mais calma em suas duas partidas seguintes, ambas vitórias em sets diretos, e então desistiu do torneio de aquecimento antes de sua semifinal, dizendo que seu corpo estava em choque depois de jogar três partidas em cinco dias após uma demissão que ela esperava durar muito mais tempo.

Na verdade, eu realmente pensei que não iria jogar a maior parte deste ano (…) Eu estava me sentindo confusa, não sabia qual seria o meu futuro. Tenho certeza de que muitas pessoas podem se identificar com isso.”

Publicidade

De certa forma, relacionar-se com Osaka, que joga contra Madison Brengle na segunda rodada do Aberto da Austrália na quarta-feira (19), nunca foi tão fácil. Sua história – embora ninguém saiba como vai terminar – é um conto de advertência para quem busca um sonho que pode não ser o dela ou para quem precisa apertar o botão de pausa, independentemente das consequências.

Apesar de sua vasta riqueza e sucesso inicial, ou talvez por causa deles, ela nunca pareceu mais vulnerável. E, no entanto, sempre haverá um afastamento com Osaka, que pode ser dolorosamente tímido, uma espécie de parede que mesmo as pessoas próximas a ela lutaram para romper. Isso só ficou mais difícil à medida que sua personalidade cresceu, porque também as barreiras e a equipe que a cercam à medida que as pressões do sucesso e da fama aumentam.

“De certa forma, tudo isso pode ser mais fácil com uma pessoa mais extrovertida”, disse Harold Solomon, o ex-profissional que treinou Osaka quando ela era adolescente. “Naomi é quieta e introspectiva. Não tenho certeza se ela estava realmente clara sobre o que tudo isso significaria.”

Publicidade

Agora, de volta à Austrália, o lugar onde as coisas apareceram pela última vez em seu mundo, ela está pronta? Mesmo que ela vença, nas partidas, nos maiores torneios, essa é uma maneira adequada de medir o sucesso e o bem-estar de alguém que há apenas quatro meses não conseguia encontrar alegria em uma quadra de tênis? Essa é realmente a vida que Osaka quer?

Osaka, declaradamente introvertida, raramente concede entrevistas. Ela fala em ambientes controlados ou em coletivas de imprensa pós-jogo durante os torneios, onde ela disse que preferiria não aparecer.

*Por Matthew Futterman – The New York Times.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.