A guerra e a percepção do risco nuclear

*Por Julián Gadano – Ex-Subsecretário de Energia Nuclear da Nação. Diretor do ProgENI da UNTreF. Membro da Fundação Global Argentina

A guerra e a percepção do risco nuclear
Pripyat, Ucrânia (Crédito: Sean Gallup/ Getty Images)

A repreensível invasão da Ucrânia pela Rússia colocou mais uma vez na mesa a questão da energia nuclear, seu uso e seu risco. E não é para menos: é a primeira vez na história que um país com usinas nucleares em operação é invadido por outro. Em poucas palavras, a todos os riscos externos que as usinas nucleares aprenderam a lidar (terremotos, inundações, etc.), acrescentou-se outro, neste caso sem responsabilidade da natureza: uma invasão militar envolvendo artilharia. A palavra “nuclear” deve ter sido uma das mais citadas nas redes nos dias de hoje.

Publicidade

De todas as questões sobre as quais minha opinião foi questionada ultimamente, vou me concentrar em uma: uma usina nuclear pode se tornar uma arma? Vamos estragar o final: não, não pode. Ou, para ser mais preciso, é extremamente difícil.

Vamos começar com os fatos

As forças russas apreenderam a usina nuclear de Zaporizhia em um ato de agressão que incluiu o uso de artilharia e provocou explosões em alguns prédios fora do reator, sem que ele fosse comprometido. Também não é tão simples isso acontecer porque tem uma contenção que o protege contra determinados impactos.

É então possível quebrar ou gerar alguma fissura? Claro que sim, mas é extremamente difícil acreditar que os russos se apoderaram da usina para romper sua contenção e liberar material radioativo com o objetivo de causar danos, por dois motivos: primeiro, porque uma usina nuclear não é uma arma, e atacá-la para causar dano envolve gerar um evento de fuga que pode causar sérios danos aos próprios atacantes. E em segundo lugar porque não faz sentido fazer isso. Com a Rússia tendo uma variedade de armas de precisão e poder destrutivo à sua disposição (e mostrando que está disposta a usá-los), por que se esforçar para destruir uma usina nuclear com foguetes?

Portanto, e sem ter uma bola de cristal que me permita adivinhar 100% das intenções de uma pessoa tão imprevisível quanto Vladimir Putin, suspeito que o motivo seja bem mais simples: controlar quase 20% da geração de eletricidade da Ucrânia, e – sim – minar as capacidades de resistência de suas forças armadas e de seus habitantes.

Publicidade

Além disso, vale uma segunda pergunta. Se houver um acidente no reator, com rachadura ou colapso da contenção, o que significa? Obviamente, seria muito grave e, sem dúvida, constituiria um crime de guerra. Danos graves a uma área de 30 km ao redor, a necessidade de evacuar a população dentro daquela área e certamente dezenas de mortes de civis adicionais às que a guerra já causou. Além de danos ao meio ambiente de consequências e duração difíceis de mensurar. Mas não produziria uma catástrofe continental fora das fronteiras ucranianas. É compreensível que a população europeia sinta medo, mas permito-me dizer que não se baseia em razões racionais.

No entanto, seria um erro supor que o ataque foi trivial. Em primeiro lugar, porque por mais precisas que sejam as armas, alguém pode cometer um erro. E segundo, porque com esse ato a Rússia violou vários acordos que assinou e aos quais adere, que explicitamente a impedem de atacar usinas nucleares. Menciono duas: a Convenção de Genebra e a Convenção sobre Segurança Nuclear.

A energia nuclear é um recurso útil para combater os efeitos do aquecimento global. É uma indústria que gera centenas de milhares de empregos em todo o mundo e uma tecnologia que, usada para fins pacíficos, serviu para melhorar a vida das pessoas em vários campos. Os danos causados ​​por ações malévolas não são de responsabilidade da tecnologia, mas de quem (mal) a utiliza para esses fins. Às vezes é bom lembrar que se alguém esfaqueia outra pessoa e a mata, não é a faca que é a responsável.

Publicidade

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.

Publicidade