argentina

Como vivia o brasileiro que tentou matar Cristina Kirchner?

Um cronista do jornal ‘La Nación’ acompanhou as buscas da polícia no apartamento do autor do atentado e disse que “além da pia quebrada, se destacam uma lingerie feminina, vários vibradores e um chicote de couro sintético preto”. 

como-vivia-o-brasileiro-que-tentou-matar-cristina-kirchner
Fernando Andrés Sabag Montiel (Créditos: Reprodução/Redes Sociais)

O brasileiro que tentou assassinar a vice-presidente da Argentina, Cristina Kirchner, mora em um estúdio em San Martín, província de Buenos Aires.

Publicidade

Um cronista do jornal ‘La Nación’ acompanhou as buscas da polícia no apartamento do autor do atentado, Fernando Andrés Sabag Montiel, e disse que “além da pia quebrada, das panelas sujas e, no chão, uma pilha de cobertores, roupas e alimentos, entre os quais se destacam inúmeros sacos de batatas, lingerie feminina, vários vibradores e um chicote de couro sintético preto”. 

A polícia argentina também confirmou que havia uma centena de munições na casa de Fernando. Os oficiais encaminharam o material bélico para perícia para verificar a qual arma ele corresponde.

“Ele não parecia nem um pouco louco. Ele sempre foi muito educado. Ele me chamou de ‘ Senhor ‘, sempre com respeito. Por isso estamos tão surpresos”, disse Sergio Paroldi, o homem que alugou a casa para Sabag Montiel.

Quem é o brasileiro suspeito de tentar matar Cristina Kirchner?

O suspeito de tentar matar a vice-presidente da Argentina,Cristina Kirchner, é Fernando Andrés Sabag Montiel: brasileiro, de 35 anos, que saiu de São Paulo quando tinha 6 anos de idade, com a família. Ele vive na Argentina desde a década de 1990. Segundo o Itamaraty, o pai seria chileno e, a mãe, de nacionalidade argentina.

Publicidade

Ainda não se sabe o que motivou Fernando a tentar matar a vice-presidente da Argentina. Ele se infiltrou  em meio à multidão de apoiadores em frente à casa de Cristina, no bairro da Recoleta, em Buenos Aires, portando uma arma, carregada com cinco projéteis. Ao apontar para a cabeça de Cristina, a arma falhou no momento do disparo. Segundo o ministro argentino da Segurança, Aníbal Fernández, foram apreendidas 100 balas de calibre 9 milímetros na casa dele.

Fernando se identificava nas redes sociais como ‘Salim’ e exibia várias tatuagens, entre elas, um sol negro, que seria um símbolo usado por povos nórdicos antigos e celtas, mas na cultura atual, é associado ao nazismo.

Segundo o portal Infobae, vizinhos de Fernando  relataram que ele era “inconstante”, “propenso a falar besteiras” e tinha o hábito de esperar músicos famosos em hotéis.

Publicidade

Publicidade