EUA autorizam envio de remédio pelo Correio para abortar

Na Justiça, há previsão de uma discussão sobre as regras que permitem o aborto nos EUA

EUA autorizam envio de remédio pelo Correio para abortar
É necessário a ingestão de duas pílulas (Crédito: Alex Wong/Getty Images)

O governo dos EUA acabou com algumas restrições que existiam para o uso de remédio usado para abortar em estágios iniciais –o remédio poderá ser enviado por correio (até agora, essa droga só podia ser entregue pessoalmente).

Publicidade

A decisão foi tomada pela Administração de Drogas e Alimentos (FDA, na sigla em inglês).

Na Justiça, há previsão de uma discussão sobre as regras que permitem o aborto nos EUA.

A medicação é conhecida pelo nome de mifepristone. O remédio deve ser usado para gravidez de até 10 semanas e, eventualmente, para tratamento de mulheres que sofreram abortamento espontâneo.

Ainda é preciso receber o remédio de uma farmácia certificada e é preciso ter a prescrição, segundo G1.

Publicidade

O tratamento implica a ingestão de duas pílulas, tomadas em ordem. O primeiro bloqueia a progesterona, o hormônio que sustenta a gravidez. O segundo induz contrações no útero da paciente.

A droga foi aprovada pelo FDA em 2000, mas desde então a pílula não podia ser enviada pelo correio. Isso mudou por causa da pandemia de Covid-19. Houve uma decisão inicial para, temporariamente, permitir que o medicamento fosse enviado pelo correio. Agora, a regra passa a ser permanente.

Nas redes sociais o The New York Times mostrou um estudo sobre o perfil das pacientes

Publicidade

Com o futuro de Roe v. Wade nas mãos da Suprema Corte, demos uma olhada no estado atual do aborto na América. A taxa de aborto caiu nas últimas décadas, mas o procedimento ainda é comum. Aqui está os dados de um paciente típico.”

Publicidade