Guerra na Ucrânia agrava a fome na África Oriental

O conflito elevou o custo dos alimentos em uma região que depende fortemente de safras da Rússia e da Ucrânia e enfrenta o que pode ser sua pior seca em quatro décadas

A guerra na Ucrânia agravou a fome na África Oriental. Primeiro veio a seca, secando rios e tirando a vida de dois filhos de Ruqiya Hussein Ahmed enquanto sua família fugia do campo árido no sudoeste da Somália.

Publicidade

Então veio a guerra na Ucrânia, elevando tanto os preços dos alimentos que, mesmo depois de chegar aos arredores da capital, Mogadíscio, ela luta para manter seus dois outros filhos vivos. “Mesmo aqui, não temos nada”, disse ela.

Em toda a África Oriental, chuvas abaixo da média criaram algumas das condições mais secas em quatro décadas, de acordo com as Nações Unidas, deixando mais de 13 milhões de pessoas enfrentando fome severa. As colheitas sazonais atingiram seu nível mais baixo em décadas, crianças desnutridas estão lotando hospitais e muitas famílias estão caminhando longas distâncias para encontrar ajuda.

A seca devastadora cobriu a maior parte da Somália, deixando quase um terço da população com fome. No vizinho Quênia, a seca deixou mais de três milhões de pessoas sem alimentos e matou mais de 1,5 milhão de cabeças de gado.

E na Etiópia, onde uma guerra civil impediu a entrega de ajuda na região norte de Tigray, a insegurança alimentar é mais generalizada do que em qualquer outro momento nos últimos seis anos. A primeira ajuda alimentar para Tigray em três meses chegou na sexta-feira.

Publicidade

Agora, a guerra na Ucrânia está piorando ainda mais a crise ao aumentar o preço dos grãos, combustíveis e fertilizantes.

A Rússia e a Ucrânia são alguns dos principais fornecedores de commodities agrícolas da região, como trigo, soja e cevada. Pelo menos 14 países africanos importam metade de seu trigo da Rússia e da Ucrânia, segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação. A Eritreia depende inteiramente deles para suas importações de trigo.

“O conflito na Ucrânia está agravando uma situação já complicada na África Oriental”, disse Gabriela Bucher, diretora executiva da organização de caridade Oxfam International, em entrevista por telefone. “A África Oriental não está na agenda global agora, mas a região precisa da solidariedade da comunidade internacional e precisa agora.”

Publicidade

A seca devastadora e a guerra na Ucrânia são amplificadas por uma série de crises nos últimos dois anos.

A pandemia de coronavírus interrompeu as cadeias de fornecimento de alimentos e forçou muitas famílias a pagar preços mais altos pelos alimentos básicos. A infestação de gafanhotos no Quênia, a guerra civil na Etiópia, as inundações extremas no Sudão do Sul, as crises políticas e os crescentes ataques terroristas na Somália e a intensificação do conflito étnico no Sudão contribuíram para a destruição de fazendas, o esgotamento das colheitas e um agravamento da crise alimentar, dizem grupos de ajuda.

A guerra na Ucrânia, que está em seu segundo mês, deve causar novos aumentos nos custos dos alimentos em toda a região. O conflito, dependendo de quanto tempo durar, pode reduzir “a quantidade e a qualidade” de alimentos básicos como o trigo, disse Sean Granville-Ross, diretor regional para a África da Mercy Corps, uma organização não governamental.

Publicidade

“Atender às necessidades básicas das populações vulneráveis ​​afetadas pela seca se tornará mais caro e desafiador”, disse ele.

Esse resultado sinistro já é evidente em muitas partes da região.

Na Somália, o preço de um recipiente de 20 litros de óleo de cozinha aumentou de US$ 32 para US$ 55, enquanto 25 quilos de feijão agora custam US$ 28 em vez de US$ 18, segundo dados coletados pela Mercy Corps.

Publicidade

No Sudão, o preço do pão quase dobrou e algumas padarias fecharam porque as importações de trigo caíram 60% desde o início da guerra, segundo Elsadig Elnour, diretora sudanesa da organização de caridade Islamic Relief.

O Quênia, citando a guerra na Ucrânia, também aumentou o preço do combustível, levando a protestos em partes do país.

Quando a fome atinge, as crianças são particularmente vulneráveis. Estima-se que 5,5 milhões de crianças na região estejam enfrentando altos níveis de desnutrição devido à seca, de acordo com a World Vision, uma organização de ajuda cristã.

“Meus filhos morreram de fome. Eles sofreram”, disse Ahmed, cujos filhos, de 3 e 4 anos, morreram durante sua jornada de um dia de sua casa na vila de Adde Ali, na região de Lower Shabelle, até os arredores de Mogadíscio. “Eles morreram debaixo de uma árvore.”

Em Mogadíscio, as famílias já estão sentindo os efeitos da guerra na Ucrânia, com o aumento dos preços dos alimentos apertando os orçamentos das famílias à medida que o mês sagrado do Ramadã se aproxima. Sem emprego, abrigo adequado ou acesso aos feijões, milho e tomates que ela cultivava, Ahmed agora depende de doações de alimentos de simpatizantes para alimentar seus dois filhos sobreviventes, de 7 e 9 anos.

E os programas de ajuda são esticados. A guerra afetou as operações do Programa Mundial de Alimentos, que neste mês disse ter reduzido as rações para refugiados e outros na África Oriental e no Oriente Médio por causa do aumento dos custos e do esgotamento dos fundos.

Alguns temem que a seca contínua na África Oriental possa se assemelhar à de 2011, que matou cerca de 260.000 pessoas somente na Somália. Embora a situação ainda não tenha atingido esse nível, o financiamento e os recursos necessários para evitar tal crise ainda não começaram a fluir, disse Bucher, da Oxfam.

Apenas 3% dos US$ 6 bilhões que a ONU precisa este ano para a Etiópia, Somália e Sudão do Sul foram alocados, disse ela, enquanto o Quênia garantiu apenas 11% dos US$ 139 milhões necessários para assistência.

Na semana passada, o Banco Africano de Desenvolvimento disse que levantaria até US$ 1 bilhão para melhorar a produção agrícola e ajudar os africanos a se tornarem autossuficientes em alimentos a longo prazo. Mas enquanto essas iniciativas são bem-vindas, a Sra. Bucher disse que é imperativo que os doadores também doem sem moderação e imediatamente para evitar uma crise muito mais ampla.

“O mundo precisa vir em socorro da África Oriental para evitar uma catástrofe”, disse ela.

*Por – Abdi Latif Dahir — The New York Times

*Contribuição — Hussein Mohamed.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil