Covid-19

Mais da metade dos americanos tiveram Covid-19

Os casos de coronavírus estão aumentando novamente nos Estados Unidos, mas com poucas hospitalizações.

mais-da-metade-dos-americanos-tiveram-covid-19
O número de mortos continuam caindo (Crédito: Canva)

Mais da metade dos americanos foram infectados pela Covid pelo menos uma vez. A percepção comum de que quase todos na América pareciam ter adquirido a variante Ômicron no inverno passado pode não estar longe da verdade. Em fevereiro de 2022, quase 60% da população havia sido infectada pelo coronavírus, quase o dobro da proporção observada em dezembro de 2021, segundo dados divulgados na terça-feira pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças.

Publicidade

“Em fevereiro de 2022, as evidências de infecções anteriores por Covid-19 aumentaram substancialmente em todas as faixas etárias”, disse Kristie Clarke, pesquisadora da agência que liderou o estudo, em uma entrevista coletiva.

As infecções aumentaram mais acentuadamente durante o surto de Ômicron entre crianças e adolescentes, talvez porque muitas pessoas nessas faixas etárias ainda não foram vacinadas. O aumento foi menor entre os adultos com 65 anos ou mais, que têm a maior taxa de vacinação e podem ser os mais propensos a tomar precauções.

A nova pesquisa sugere que três em cada quatro crianças e adolescentes nos Estados Unidos foram infectados com o coronavírus em fevereiro de 2022, em comparação com um terço dos adultos mais velhos.

Embora alguns estudos sugiram que a infecção anterior oferece um escudo mais fraco contra o vírus do que as vacinas, os anticorpos resultantes devem fornecer um grau razoável de proteção contra doenças graves, pelo menos a curto prazo.

Publicidade

“Ainda não sabemos quanto tempo durará a imunidade induzida pela infecção”, disse Clarke.

Os ganhos na imunidade de toda a população podem explicar por que o novo surto que está rugindo na China e em muitos países da Europa foi silenciado nos Estados Unidos até agora.

As descobertas podem oferecer algum conforto aos pais que esperam ansiosamente pela aprovação de uma vacina para os filhos mais novos. Muitas dessas crianças agora parecem ter adquirido pelo menos alguma imunidade.

Publicidade

Mesmo assim, o Dr. Clarke pediu aos pais que imunizem as crianças que se qualificarem assim que os reguladores aprovarem uma vacina para elas, independentemente de qualquer infecção anterior. Ela observou que, quando as crianças são hospitalizadas com o coronavírus, até 30% delas podem precisar de cuidados intensivos.

Muitas dessas crianças também têm outras condições médicas. Mas até 70% dos casos de doença inflamatória multissistêmica, uma consequência rara da infecção por Covid-19, ocorrem em crianças saudáveis.

“Como pediatra e pai, eu absolutamente endossaria que as crianças fossem vacinadas, mesmo que tenham sido infectadas”, disse Clarke.

Publicidade

Os casos de coronavírus estão aumentando novamente nos Estados Unidos, principalmente no Nordeste, mas até agora o aumento nas hospitalizações foi mínimo e as mortes ainda estão caindo.

Mesmo entre aqueles que estão hospitalizados, “estamos vendo menos uso de oxigênio, menos UTI. permanece e, felizmente, não vimos nenhum aumento nas mortes associadas a eles”, disse a diretora do CDC, Dra. Rochelle Walensky. “Esperamos que as tendências positivas continuem.”

Os pesquisadores começaram a avaliar os níveis de anticorpos em pessoas em 10 locais no início da pandemia e, desde então, expandiram esse esforço para todos os 50 estados, o Distrito de Columbia e Porto Rico. Os investigadores usam um teste sensível o suficiente para identificar pessoas previamente infectadas por pelo menos um ou dois anos após a exposição.

Publicidade

Foram analisadas também amostras de sangue coletadas de setembro de 2021 a fevereiro de 2022, procurando anticorpos para o vírus; em seguida, eles analisaram os dados por idade, sexo e localização geográfica. Os investigadores procuraram especificamente um tipo de anticorpo que é produzido após a infecção, mas não em pessoas que foram meramente vacinadas.

Entre setembro de 2021 e dezembro de 2021, a prevalência de anticorpos nas amostras aumentou constantemente de um a dois pontos percentuais a cada quatro semanas. Mas saltou acentuadamente após dezembro, aumentando quase 25 pontos até fevereiro de 2022.

A porcentagem de amostras com anticorpos aumentou para cerca de 75%, de cerca de 45% entre crianças de 11 anos ou menos e adolescentes de 12 a 17 anos.

Em fevereiro de 2022, cerca de 64% dos adultos de 18 a 49 anos, cerca de metade daqueles de 50 a 64 anos e cerca de um terço dos adultos mais velhos haviam sido infectados pelo vírus, segundo o estudo.

*Por – Apoorva Mandavilli — The New York Times

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil