TERRORISMO

Membro do Estado Islâmico é condenado nos EUA por decapitações

Célula islâmica decapitou e cometeu violência sexual contra as vítimas.

Grupo terrorista era chamado de ‘The Beatles’ por sotaque britânico (Créditos: John Moore/Getty Images)

Um membro de uma célula do Estado Islâmico considerado culpado em abril por seu papel em uma conspiração de sequestro, que levou à decapitação de jornalistas e trabalhadores humanitários norte-americanos, foi condenado à prisão perpétua por um tribunal federal dos Estados Unidos, nesta sexta-feira (19).

Publicidade

O juiz T.S. Ellis proclamou a sentença contra El Shafee Elsheikh, de 33 anos, durante audiência em um tribunal em Alexandria, na Virgínia.

Há quatro meses, um júri considerou o ex-cidadão britânico culpado de acusações que incluíam sequestro mortal de reféns e conspiração para cometer assassinato.

Após um julgamento de seis semanas, em abril, e horas de deliberação, o júri concluiu que Elsheikh fazia parte de uma célula do Estado Islâmico, apelidada de The Beatles por seu sotaque inglês, que decapitou reféns norte-americanos no Iraque e na Síria.

Elsheikh, que nasceu no Sudão e cresceu em Londres, foi acusado de conspirar para matar quatro reféns norte-americanos: James Foley, Steven Sotloff, Peter Kassig e Kayla Mueller.

Publicidade

Foley e Sotloff, ambos jornalistas, e Kassig, um trabalhador humanitário, foram mortos em decapitações gravadas em vídeo. Mueller foi estuprada repetidamente pelo líder do grupo na época, Abu Bakr al-Baghdadi, antes de sua morte na Síria, disseram autoridades dos EUA.

As mortes de Foley, Sotloff e Kassig foram confirmadas em 2014; a morte de Mueller foi confirmada no início de 2015.

Publicidade