O retorno indesejado da política internacional realista

*Por Patricio Carmody – Especialista em Relações Internacionais

O retorno indesejado da política internacional realista
Ucrânia, 2022 (Crédito: Chris McGrath/ Getty Images)

As nações da Europa e os EUA responderam com indignação compreensível, angústia e vastos bloqueios econômicos às atrocidades em massa cometidas pelo governo do presidente russo Vladimir Putin em solo ucraniano. Mas eles não parecem ter tomado consciência real na época de algumas diretrizes básicas de um tipo realista de diplomacia, ou ter tido uma perspectiva histórica adequada, para evitar essa colossal tragédia em solo europeu. Talvez seja hora de levar essas diretrizes em consideração ao meditar sobre os termos em que o fim desse infeliz conflito pode ser negociado e acordado.

Publicidade

O grande cientista político e sociólogo francês Raymond Aron afirmou que “embora talvez humano, é em vão cultivar a nostalgia da diplomacia amoral e comedida do equilíbrio de poderes. Essa nostalgia é essencialmente retrospectiva.” No entanto, dados os dramáticos acontecimentos na Ucrânia, as diretrizes para uma diplomacia realista tornaram-se atuais e até prospectivas. Assim, este artigo não pretende ser uma justificativa para a injustificável ação russa, mas sim apresentar algumas diretrizes realistas de política internacional que podem ajudar a entender o que aconteceu e encontrar um mecanismo negociado para parar essa guerra.

Uma primeira diretriz é expressa por Raymond Aron: “Os Estados estão engajados em uma competição incessante, onde sua existência está em jogo”. Em caso de conflito “é raro que todas as queixas venham de um lado e que uma das partes seja totalmente pura”. Nesse contexto, “o primeiro dever – político e moral – é entender a política entre as nações pelo que ela realmente é, de modo que cada Estado, legitimamente preocupado com seus interesses, não fique completamente cego aos interesses dos demais”.

Assim, após o fim da Guerra Fria, a Alemanha foi extremamente cuidadosa com os interesses russos. Ao conseguir negociar a unidade alemã, o chanceler Helmut Kohl e seu chanceler Hans-Dietrich Genscher foram surpreendidos em dezembro de 1989 pelo secretário de Estado norte-americano James Baker, que declarou publicamente que a Alemanha seria uma só, e membro da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte). Preocupado com a reação russa, Genscher chegou a apresentar, junto com Baker, uma proposta de não expandir a OTAN para o Leste Europeu, que o chanceler russo Schevardnadze ouviu com prazer.

No entanto, de acordo com um associado próximo de Genscher, Frank Elbe, isso nunca foi formalmente confirmado. Com o tempo, segundo Elbe, os EUA e a OTAN deixaram de dar muita importância aos interesses russos. Assim, a OTAN expandiu-se para o Leste, primeiro respondendo ao pedido de legítima defesa de várias nações contra a histórica ameaça russa, e depois até incorporando territórios pertencentes à ex-URSS, como os países bálticos. Isso ocorreu diante de uma Rússia extremamente enfraquecida, que poderia oferecer pouca resistência a uma penetração da OTAN no que considerava sua esfera de influência. Mas uma Rússia já fortalecida conseguiu expressar com força sua posição em relação à Ucrânia, território que, segundo o ex-secretário de Estado norte-americano Henry Kissinger, nunca foi considerado uma terra estrangeira, e que Putin considera de vital interesse estratégico.

Publicidade

Uma segunda diretriz, como expressou Kissinger, é que uma ordem internacional que funcione bem deve fornecer espaço suficiente para acomodar diferentes interesses nacionais. Nesse sentido, o atual território da Ucrânia é de interesse estratégico vital para a Rússia e está pronto para defendê-lo. Além de ser o celeiro histórico da Rússia e sua saída para os mares Negro e Azov – mares quentes que dão acesso ao Mediterrâneo – a Ucrânia foi e é, segundo o ex-secretário de Estado dos EUA Zbigniew Brzezinski, crítico da sustentação – com seus 44 milhões de habitantes eslavos, ou parte deles – as características de uma verdadeira potência eurasiana. Embora a Ucrânia como povo como unidade geográfica variável exista há séculos, quase sempre esteve intimamente ligada ao império russo ou ao seu sucessor, a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS). As atuais fronteiras daquele Estado foram impostas arbitrariamente pelos líderes soviéticos. Assim, a “república” da Galícia (antigo império austro-húngaro, que inclui Lvyv), a parte sul da Bessarábia (antigo Vltava/Romênia) e a província-geral de Taurida foram amalgamadas dentro de suas fronteiras atuais. Para complicar a cena, Odessa foi fundada por decreto de Catarina, a Grande, tornando-se mais tarde a “capital do Sul” da Rússia e da URSS, e o cenário do épico Encouraçado Potemkin de Sergei Eisenstein. Por outro lado, a Crimeia foi palco da famosa carga de cavalaria ligeira, durante a Guerra da Criméia em 1854, que Lord Tennyson imortalizou em seu poema lembrado, onde 600 cavaleiros britânicos cavalgavam contra canhões, russos e cossacos, mas não contra ucranianos.

Uma terceira diretriz que não foi suficientemente considerada foi expressa por Kissinger: “As condições propostas que não são defendidas equivalem à rendição“. A Rússia se manifestou várias vezes contra a inclusão da Ucrânia na OTAN, começando após a reunião em Bucareste em abril de 2008, onde o governo de George W. Bush pressionou a OTAN a anunciar que a Ucrânia e a Geórgia se tornariam membros. Isso aparentemente incomodou muito Vladimir Putin, que afirmou que, se a Ucrânia se juntar à OTAN, o fará sem a Crimeia e sem a região leste.

Embora a Rússia tenha repetidamente destacado essa “linha vermelha” de sua política externa – Moscou estaria a 600 quilômetros da OTAN – sua opinião não foi levada em consideração. Quando recentemente pediu que a Ucrânia fosse formalmente retirada da OTAN, ele recebeu uma resposta direta do secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken: “Nenhuma mudança. Não haverá mudanças.” Uma vez que a Ucrânia não parece ser de interesse vital nem para os EUA nem para a OTAN, não desistir formalmente da inclusão da Ucrânia na OTAN, mas não estar disposto a defender essa posição militarmente, equivale a uma rendição de facto do território. olhos dos russos.

Publicidade

Uma quarta diretriz é não deixar a decisão de agravar o nível e a intensidade do conflito nas mãos de um território ou nação ao qual uma potência – no caso os EUA – e seus aliados – no caso a Europa – tenham não se comprometeu a defender militarmente. Por sua vez, como assinalou Kissinger, a Ucrânia é uma jovem república de apenas 23 anos, altamente dividida entre uma metade ocidental pró-europeia –na maioria católica– e uma metade oriental pró-russa –maioria ortodoxa–, e cujos líderes não foram inclinado à negociação nem interna nem internacionalmente. Isso foi verificado quando o governo ucraniano tomou posições extremas, como exigir uma zona de exclusão aérea em seu território –compreensível em nível nacional – que só pode ser implementada pela OTAN, e que levaria a um ataque aéreo ou terrestre direto. confronto aéreo com a Rússia –outra superpotência nuclear– de consequências imprevisíveis em nível global.

Uma quinta diretriz que não foi levada em conta, mas que agora deve assumir maior relevância, é a enunciada pelo famoso diplomata norte-americano George Kennan: “A tarefa de manter a paz mundial será abordada da melhor maneira, não através da estabelecimento de medidas legais rígidas, mas sim pelos procedimentos tradicionais associados à prudência política”.

A isso, Raymond Aron acrescentou: “Ser prudente é agir com base em uma situação singular e em fatos concretos, não com base em um espírito sistêmico ou na obediência passiva a uma norma ou pseudo-norma, é preferir a limitação da violência à a punição do suposto culpado.” Nesse contexto, ao tentar identificar os termos de um possível acordo, parece evidente que a OTAN deve renunciar formalmente à incorporação da Ucrânia – o ponto mais ofensivo para a Rússia. A Ucrânia deve poder escolher o seu sistema económico e até aderir à UE, se assim o desejar. Mas a parte mais difícil será concordar sobre qual território a Ucrânia continuará a ocupar, após a anexação da Crimeia em 2014, e a atual ocupação russa de territórios ao leste da Ucrânia e sobre o Mar Morto e o Mar de Azov. Ao buscar um acordo, o objetivo não deve ser, segundo Kissinger, a satisfação absoluta de ambas as partes, mas sim uma insatisfação equilibrada.

Publicidade

“A tarefa de manter a paz mundial será abordada da melhor maneira, não através da estabelecimento de medidas legais rígidas, mas sim pelos procedimentos tradicionais associados à prudência política”.

Para resolver o labirinto ucraniano, diplomatas americanos e europeus devem aplicar o tipo de diplomacia descrito por Raymond Aron: “Esse tipo de diplomacia – que leva em conta o equilíbrio de poder – é realista, e até cínica, mas moderada e razoável. Por sua vez, quando os efeitos devastadores de outros tipos de diplomacia aparecem tragicamente à luz do dia (como no caso atual da Ucrânia), essa sabedoria sem ilusões parece em retrospecto não apenas tomar a forma de um modelo ideal, mas tornar-se em um ideal.”

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

Publicidade

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.