Ucrânia está pronta para aceitar status neutro e não nuclear, diz Zelensky

Zelensky enfatizou seu desejo por um acordo de paz concreto, mas que precisaria ser apresentado ao povo ucraniano em um referendo

ucrania-esta-pronta-para-aceitar-status-neutro-e-nao-nuclear-diz-zelensky
Volodymyr Zelensky (Créditos: Anna Moneymaker/Getty Images)

Como parte de um acordo de paz, a Ucrânia está pronta para aceitar status neutro, disse o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, neste domingo (27). A declaração foi feita para jornalistas independentes russos, de acordo com a CNN.

Publicidade

“Garantias de segurança e o status neutro e não nuclear de nosso estado. Estamos prontos para aceitar isso. Este é o ponto mais importante”, disse o presidente. Ele também completou dizendo que “este foi o primeiro ponto-chave para a Federação Russa, se bem me lembro. E pelo que me lembro, eles começaram a guerra por causa disso”.

Zelensky enfatizou seu desejo por um acordo de paz concreto, mas que esse acordo teria que ser apresentado ao povo ucraniano em um referendo. “Esta é uma cláusula de garantia de segurança para a Ucrânia. E como eles dizem que é para eles também, é compreensível para mim e está sendo discutido. É delicado, mas estou interessado em garantir que seja não apenas mais um pedaço de papel”, disse ele.

Nesta terça-feira (29) delegados ucranianos e russos se encontrarão em Istambul, na Turquia, para uma nova rodada de negociações. O presidente ucraniano afirmou que a Ucrânia não discutirá os termos “desnazificação” e “desmilitarização” durante as negociações.

Entenda o conflito

Desde o dia 24 de fevereiro, Vladimir Putin deu início ao conflito contra a Ucrânia ao bombardear regiões do país. A invasão contou com domínios por terra, mar e ar, após autorização do presidente russo.

Vladimir Putin não aceita que a Ucrânia faça parte da OTAN, uma aliança criada pelos Estados Unidos. O presidente não deseja que uma base inimiga seja estabelecida próxima a seu território, uma vez que a Ucrânia faz fronteira com a Rússia. Esse foi um dos estopins para que Putin iniciasse os ataques.

Publicidade