Inelegível

MPF recorre contra liminar que autoriza Eduardo Cunha a disputar eleições

Posterior alvo da Operação Lava-Jato, Eduardo Cunha foi cassado pela Câmara dos Deputados em setembro de 2016.

MPF recorre contra liminar que autoriza Eduardo Cunha a disputar eleições
O ex-deputado Eduardo Cunha foi responsável por dar início ao processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (Crédito: Igo Estrela/Getty Images)

O Ministério Público Federal (MPF) recorreu contra uma liminar, concedida por um desembargador federal, que autorizava o ex-deputado federal Eduardo Cunha a disputar as eleições de outubro. Segundo o jornal O Globo, no recurso, a Procuradoria Regional da República da 1ª Região alerta que o processo que cassou o ex-deputado correu sem irregularidades.

Publicidade

A procuradora Michele Bastos, responsável pelo caso, afirma que a liberação da candidatura de Eduardo Cunha colocaria “em xeque a segurança jurídica, a confiabilidade nas instituições, a paz social e a própria democracia”.

Ainda segundo O Globo, a Procuradoria apresentou dois recursos para contestar a decisão do desembargador Carlos Augusto Brandão, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, que emitiu a liminar no dia 21 de julho.

O primeiro contesta a decisão do desembargador. O segundo recurso foi protocolado diretamente para a Presidência do TRF-1, pedindo que a decisão de Brandão fosse cassada com urgência.

Posterior alvo da Operação Lava-Jato, Eduardo Cunha foi cassado pela Câmara dos Deputados em setembro de 2016. Foram 450 votos a favor, 10 contra e nove abstenções. Cunha mentiu ao dizer que não mantinha contas bancárias da Suíça.

Publicidade

Publicidade

 

 

Publicidade