Casos de gripe em emergências de SP tiveram queda de 25%

De acordo com Zamarco, secretário-adjunto de Saúde, a redução vem sendo gradual desde da última quinta-feira (23), quando a gestão começou a realizar atendimentos com agendamento em 469 unidades da rede

Casos de gripe em emergências de SP teve queda de 25%
“tirar a pressão da porta da urgência e da emergência” (Créditos: Canva)

No último fim de semana as urgências e emergências da rede municipal de saúde de São Paulo tiveram uma queda de 25% de casos de pessoas com sintomas de gripe, disse hoje à CNN, o secretário-adjunto de Saúde, Luiz Carlos Zamarco.

Publicidade

De acordo com Zamarco, a redução vem sendo gradual desde da última quinta-feira (23), quando a gestão começou a realizar atendimentos com agendamento em 469 unidades da rede. O objetivo era “tirar a pressão da porta da urgência e da emergência”, disse o secretário.

Vem sendo registrado na capital paulista desde a última semana uma alta em grande escala de casos de pessoas que procuram por atendimento médico com os sintomas gripais, em especial devido ao avanço das infecções da variante H3N2. O Brasil vem vivendo uma epidemia da gripe que, até a última quinta, atingiu 17 estados.

Com o crescimento dos casos de gripe, pronto-socorro de hospitais públicos e privados lotaram em São Paulo e em outras cidades. Isso fez com que a prefeitura de SP reservasse leitos para pacientes com esses quadros clínicos no Hospital Municipal de Brasilândia, na zona norte da cidade.

“Esse aumento de atendimento na capital. Estamos monitorando desde a semana passada. Houve um aumento significativo e nós priorizamos desde quinta-feira que as 469 unidades de saúde ficassem atendendo com agendamento aberto para tirar a pressão da porta da urgência e da emergência”, disse Zamarco à CNN.

Publicidade

“Deu uma diminuída na pressão que estava acontecendo no sistema de saúde na cidade de São Paulo. Observamos no final de semana que houve diminuição de mais ou menos 25% nas portas de urgência e emergência mesmo sem as unidades básicas estarem abertas. Hoje vamos avaliar no final do dia“, completou.

Zamarco, ainda relatou, que o final de semana anterior do Natal teve 25 mil atendimentos devido aos sintomas da gripe em SP, tendo 48 internações. De acordo com ele, a média deve cair para um patamar de 15 mil a 18 mil atendimentos.

Ele declarou ainda, que o índice de internações decorrentes desses atendimento é considerado baixo.

Publicidade

“Essa semana continua uma semana toda de atendimento, mantendo uma média de 15.000 a 18.000 atendimentos por dia. Tivemos 118 internações em UTI por síndrome gripal, e 210 em enfermaria por síndrome gripal. Se você prestar atenção que ao longo de dez dias foram aí mais ou menos 180 mil atendimentos, uma média de 10% de internações é uma média muito baixa.” 

Publicidade