ORIGEM DA PANDEMIA

Novos estudos sugerem que mercado de animais vivos foi epicentro da pandemia de COVID

Pesquisadores acreditam que a disposição dos animais muito próximos uns aos outros facilitaram a transmissão de doenças entre eles, mas a transmissão para os seres humanos continua indefinida.

Primeiros casos surgiram no lado oeste do mercado de animais de Wuhan, onde são vendidos mamíferos (Créditos: China Photos/Getty Images)

Dois novos estudos publicados na edição dessa terça-feira (26) da Revista Science concluíram, individualmente, que a pandemia da Covid-19 provavelmente começou em mercados que vendiam animais vivos para consumo em Wuhan, na China. Confira os artigos aqui: ¹ ².

Publicidade

Os estudos rastrearam a origem do vírus para o mercado de frutos do mar de Huanan, na cidade de Wuhan, embora as circunstânscias em que o vírus foi transmitido para os humanos continuem indefinidas. Acredita-se, no entanto, que os animais terem sido dispostos muito próximos uns dos outros nos mercados facilitou a circulação de germes e vírus.

Os exatos animais que teriam iniciado a transmissão da Covid-19 também não foram definidos pelos estudos. O que se sabe, segundo as pesquisas, é que os casos detectados antes de 20 de dezembro de 2019 (mês em que o primeiro surto começou na cidade) vieram de pessoas que frequentavam o lado oeste do mercado de Huanan, onde eram vendidos mamíferos.

Michael Worobey e Kristian Andersen, autores de um dos estudos, denominado ‘The Huanan Seafood Wholesale Market was the early epicenter of the COVID-19 pandemic’, apontaram em seu artigo que os primeiros casos de pessoas que não tinham conexão com o mercado de animais vieram de pessoas que frequentavam os seus arredores.

Esta é uma indicação de que o vírus começou a se espalhar entre as pessoas que trabalhavam no mercado, mas depois começou a rondar pela comunidade local circundante. Quando os vendedores entraram nas lojas locais, eles infectaram as pessoas que trabalhavam nesses estabelecimentos“, afirmou Worobey.

Publicidade

Michael Worobey também acabou abandonando a hipótese de que o vírus tenha vazado de algum laboratório após o estudo. “Eu mesmo estava bastante convencido do vazamento do laboratório, até que mergulhamos nisso com muito cuidado e analisamos muito mais de perto (…) É uma coisa real, não é plausível que este vírus tenha sido introduzido de outra forma que não seja através do comércio de animais silvestres“, disse.

Os pesquisadores continuam trabalhando para tentar identificar em seus estudos os primeiros animais que teriam transmitido a Covid-19 a humanos. Eles acreditam que esse é um trabalho fundamental pra prevenir futuras novas pandemias e alertam que vírus com potencial pandêmico ainda estão “à espreita”.

Publicidade