Sintoma incomum da variante Ômicron tem sido observado em crianças

De acordo com médico, até 15% das crianças diagnosticadas com a nova cepa apresenta sinal na pele

Sintoma incomum da Ômicron tem sido observado em crianças
Médicos suspeitam que há muitos casos ignorados da Ômicron porque as pessoas estão procurando sintomas errados (Crédito: Canva)

Um médico de Londres alertou para um sintoma incomum que tem sido observado em crianças contaminadas pela variante Ômicron. Segundo David Lloyd, elas estão desenvolvendo manchas no corpo.

Publicidade

Em entrevista à Sky News, o clínico geral disse que um dos sintomas são as manchas, e também erupções na pele das crianças quando infectadas com a variante Ômicron.

Sempre tivemos um pequeno grupo de pacientes com covid que apresentam erupções cutâneas, mas até 15% das crianças com Ômicron apresentam erupções incomuns”, afirmou o médico David Lloyd, em entrevista ao jornal The Sun.

As crianças diagnosticadas com a nova variante também costumam apresentar fadiga, dores de cabeça e perda de apetite – o que parece corresponder aos sintomas comuns da infecção por outras variantes em adultos.

Porém, médicos estão suspeitando de que casos da variante Ômicron tem sido mais difíceis de detectar, porque os principais sintomas causados pela variante são diferentes daqueles atualmente descritos pelo Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido (NHS).

Publicidade

Os sintomas principais da covid-19 descritos pelo NHS são tosse persistente, febre e perda do paladar e do olfato.

Esse sinais foram pela elencados pela primeira vez logo quando a pandemia atingiu seu pico em março de 2020 e a lista permaneceu a mesma, apesar do surgimento de novas cepas.

Em entrevista ao TalkRadio o Dr Lloyd já havia deixado claro a importância de seguir as diretrizes para o Covid-19

Publicidade

”Julia entra em confronto com o Dr. David Lloyd sobre vacinas obrigatórias e máscaras enquanto a Áustria anuncia bloqueio forçados.

Julia está “horrorizada”, mas o Dr. Lloyd pede que as mesmas medidas sejam introduzidas no Reino Unido para lidar com Covid.”