meio ambiente

Amazônia e Cerrado batem recordes de queimadas em junho, diz Inpe

Somente na Amazônia, foram detectados 2.562 pontos de queimadas, o maior número para o mês desde 2007.

amazonia-e-cerrado-batem-recordes-de-queimadas-em-junho-diz-inpe
Nesta imagem aérea, um incêndio queima em uma seção da floresta amazônica em 25 de agosto de 2019 na região de Candeias do Jamari, perto de Porto Velho, Brasil (Crédito: Victor Moriyama/Getty Images)

A Amazônia e o Cerrado registraram recordes históricos em números de queimadas para junho, segundo monitoramento do Instituto Nacional de Pesquisa Espaciais (Inpe).

Publicidade

Somente na Amazônia, foram detectados 2.562 pontos de queimadas, o maior número para o mês desde 2007, quando 3.519 focos foram registrados. É o terceiro ano consecutivo de alta no número de focos de calor na floresta.

Vale ressaltar que os meses de maio e junho marcam o início da temporada de queimadas e desmatamento na Amazônia, por causa do período de seca na floresta. Em maio, o Inpe detectou 2.287 queimadas na floresta, também um recorde histórico: foi a maior quantidade para o mês desde 2004.

Já o Cerrado registrou ainda mais pontos de queimada em junho do que a Amazônia: 4.239 focos, o maior número para junho desde 2010, quando 6.443 focos haviam sido detectados. Também é o terceiro ano consecutivo de alta nos focos de queimada no bioma.

No acumulado do semestre, o Cerrado somou quase 11 mil focos de queimadas; o número é o maior para o período desde 2010.

Publicidade

Publicidade