Fale conosco

O que vc está procurando?

Mundo

Uma hegemonia, dois sistemas

A hegemonia capitalista unipolar que imperou desde o segundo pós-guerra expandiu esse sistema de produção e estruturou o mundo inteiro com sua transferência matricial para a Ásia, para completar sua lógica de expansão e sua totalidade sistêmica

Uma hegemonia, dois sistemas
(Crédito: Peter Macdiarmid/Getty Images)

Analisemos a história recente como a “realidade de um processo na sua totalidade”, nos termos de Hegel. Desse modo, podemos raciocinar sob essas premissas que serão úteis para romper com o fosso internacionalista em suas duas visões epistemológicas – empiristas versus interpretativistas e realistas versus construtivistas –, mas sobretudo na sua expressão política normativa – um sistema mundial com assimetrias naturalizadas ou uma comunidade internacional com capacidades de governação distributiva.

A dialética da história moderna foi expressa de uma forma impensável: um comunismo soviético “oriental, não asiático” (tese) foi derrotado por um capitalismo ocidental (antítese). Agora, gerou-se uma confluência entre o capitalismo triunfante como estrutura econômica mundial, que construiu uma potência que o assimila e o governa a partir de um Partido Comunista centenário (síntese).

A hegemonia capitalista unipolar que imperou desde o segundo pós-guerra expandiu esse sistema de produção e estruturou o mundo inteiro com sua transferência matricial para a Ásia, para completar sua lógica de expansão e sua totalidade sistêmica.

Embora a morte de Mao Zedong possa ser considerada o início da decolagem do país em 1976, ela ocorreu de fato na terceira sessão plenária do XI Comitê Central do Partido Comunista Chinês em 1978, quando foram enunciadas as Quatro Modernizações: defesa, agricultura, indústria e ciência/tecnologia; os Quatro Princípios Cardeais de 1979: o caminho socialista, a ditadura do proletariado, a direção do partido e o marxismo-leninismo-maoísmo; e a criação das Quatro Zonas Econômicas em Shenzhen, Zhuhai, Shantou e Xiamen, para atrair o capital internacional.

Por sua vez, a adesão da China à OMC em 2001 obrigou este país a realizar reformas para a desregulamentação dos investimentos e a diluir o estatismo centralizado – tão bem analisado por John Leonard em “A OMC define o futuro da China”.

Capitais norte-americanos, europeus e japoneses – com incentivos estratégicos de seus governos – “conquistaram” o Reino do Meio pensando em seu mercado e em sua população. O que eles conseguiram foi transferir a lógica do capital justamente para a área do mundo que estava iniciando a sua modernização e o novo equilíbrio do mundo. O resultado foi a criação de uma nova contra hegemonia própria que agora disputa cada espaço do seu desenvolvimento, assim existindo dois sistemas.

Todos os indicadores que iremos desenvolvendo ao longo de outras colunas mostram uma ascensão difícil de deter: acelera-se a liderança no capital financeiro, as bolsas de valores, o investimento estrangeiro direto, as exportações e importações, a produção de bens e serviços e o PIB. Resta o contrapeso do poder militar com os Estados Unidos, mas este indicador é difícil de situar em uma hipótese de conflito tradicional – e menos ainda nuclear – devido ao custo para ambas as partes da sua possível atuação.

Pois bem, este crescimento irrefreável que se baseia na modernização e na abertura econômica, se consolida a partir de um partido único que afirma seus princípios. Devemos, portanto, fazer duas perguntas centrais: A dinâmica econômica se traduzirá em uma mudança do seu sistema político? E que nova ordem mundial surgirá se o regime interno influenciar uma nova normatividade internacional?

O mundo será inteiramente governado pelas leis do mercado como sistema econômico e governado por uma potência hegemônica cujo sistema político é completamente diferente das poliarquias do Ocidente: estaremos diante de uma nova hegemonia sob dois sistemas?

A partir disso, três expectativas são esperadas da China: que sejam implementadas a proclamação da “Diplomacia para a Paz e o Desenvolvimento” de 1984, baseada na cooperação, o “Novo Conceito de Segurança” de 1997, que instaura o valor da segurança cooperativa, e o “princípio do desenvolvimento pacífico”, como definido à época por Hu Jintao.

*Por Juan Pablo Laporte – Cientista político e Doutor em Ciências Sociais. Professor e Pesquisador da Universidade de Buenos Aires.

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.

Mais em Perfil

Últimas Notícias