SEGURANÇA NAS ELEIÇÕES

Ação em São Paulo vai monitorar casos de violência política na eleição

Pesquisa do DataFolha mostra que 67% dos brasileiros tem medo de serem agredidos por suas convicções políticas.

OAB-SP, MPSP e defensorias públicas se unirão à ação (Créditos: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Órgãos públicos ligados à defesa dos direitos humanos firmaram termo de compromisso para coibir a violência política e a disseminação de fake news (notícias falsas no estado de São Paulo nas eleições deste ano. A iniciativa partiu do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana de São Paulo (Condepe), que receberá as denúncias, e reúne o Ministério Público de São Paulo (MPSP), as defensorias públicas do estado e da União e a Ordem dos Advogados do Brasil Seção São Paulo (OAB/SP).

Publicidade

Uma pesquisa encomendada pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública e pela Rede de Ação Política pela Sustentabilidade (Raps), realizada pelo Instituto Datafolha, mostra que 67% das pessoas têm medo de ser agredidas fisicamente pela sua escolha política ou partidária.

Um dos casos mais recentes ocorreu na semana passada, quando Benedito Cardoso dos Santos, apoiador do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), foi morto a facadas por Rafael Silva de Oliveira, partidário da campanha do presidente Jair Bolsonaro (PL) à reeleição, em uma discussão política, conforme o boletim de ocorrência.

O conselho encaminhará, em até 24 horas, os casos para o Ministério Público de São Paulo, ou a Defensoria Pública da União, dependendo da competência da Justiça para investigar. A expectativa é que, com a assinatura do termo, as investigações sejam iniciadas em um prazo de 48 horas.

Publicidade